FELIPE RAU/ESTADÃO
FELIPE RAU/ESTADÃO

Crise venezuelana facilita aprovação de sanções mais duras

Queda na receita do petróleo e crise econômica diminuem importância comercial do país na região e permitem medidas mais duras contra o chavismo

Renata Tranches, O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2017 | 19h12

Ao punir Caracas, o Mercosul se torna uma plataforma de pressão contra Maduro. O dinamismo da relação comercial entre Brasil e Venezuela diminuiu nos últimos anos, abrindo as portas para sanções mais duras, segundo o professor de relações internacionais da Universidade de São Paulo (USP), Rafael Villa.

Segundo o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, o intercâmbio comercial entre Brasil e Venezuela antes da entrada do país no bloco, em 2012, atingiu seu ápice no ano anterior, com um volume de US$ 5,86 bilhões. O total de exportações brasileiras para o vizinho naquele ano foi de US$ 4,59 bilhões. 

Os dados da Secretaria de Comércio Exterior mostram que ele continuou crescente no ano seguinte, mas, a partir de 2013 – ano da morte do líder, Hugo Chávez – começou a entrar em declínio. No ano passado, chegou a apenas US$ 1,69 bilhão e as perspectivas para esse ano não são animadoras. Nos primeiros seis meses de 2017, atingiu o valor de US$ 241 milhões – as exportações brasileiras para o mercado venezuelano nesse período sofreram uma redução de 54% em comparação ao mesmo período de 2016. 

As variações, como explica Villa, não estão ligadas à participação de Caracas no bloco, uma vez que o país não chegou a implementar todas as regras e protocolos, impedindo sua maior integração comercial. “A Venezuela é um parceiro estratégico para o bloco em potencial, mas não real. Havia uma expectativa de que a potência petrolífera pudesse desenvolver uma parceria, mas não avançou”, afirmou o venezuelano, em entrevista ao Estado

Crise econômica

O especialista lembra que outros fatores tornaram o dinamismo bilateral menor ao longo dos anos. Ele destaca a própria crise econômica e política venezuelana e a mudança de governo no Brasil. A crise na Venezuela, com a queda no preço do petróleo e a dificuldade do governo em honrar compromissos, afetaram diretamente as importações, em geral, e as do Brasil. De 8.º maior parceiro do País, em 2012, em junho, a Venezuela era o 56.º principal destino das vendas brasileiras. 

Villa lembra que, até o primeiro governo Dilma Rousseff, as principais obras de infraestrutura na Venezuela eram conduzidas por empreiteiras brasileiras. Mas a queda na receita do petróleo, os escândalos de corrupção envolvendo essas empresas – principalmente a Odebrecht – e a Justiça no Brasil fizeram diminuir esse dinamismo entre os dois países, assim como os investimentos do BNDES. 

Para Villa, Mercosul tornou-se uma plataforma de pressão internacional. “A atual política externa do Brasil não está tão preocupada em priorizar esse aspecto econômico e sim de agir de maneira mais pragmática”, afirma o professor. No entanto, ele pondera que é importante para o Brasil manter o ritmo de comércio com a Venezuela, algo que, para o professor, não dependerá da decisão do bloco. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.