Crises no Egito e na Síria são pano de fundo do acordo

Esse é o terceiro acordo entre as duas facções palestinas desde que o Hamas expulsou as forças do Fatah da Faixa de Gaza, em 2007. Os dois anteriores fracassaram. A diferença é que, agora, há um novo cenário nos países árabes que exercem influência mais direta sobre o conflito árabe-israelense: Egito e Síria.

Lourival Sant?Anna, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2011 | 00h00

"O acordo contribui para a popularidade do governo egípcio", disse ao "Estado" o analista político libanês Boutros Labaki, referindo-se ao governo que sucedeu ao ditador Hosni Mubarak. "O Hamas também tem interesse numa melhor correlação de forças com Israel. Não há horizonte para o diálogo do Fatah com Israel, que mantém a expansão dos assentamentos." Labaki conclui: "Os três saem ganhando."

E há a Síria, que apoia ostensivamente o Hamas, cujo dirigente político, Khaled Meshal, fica em Damasco. Vizinha de Israel e do Líbano, a Síria é usada pelo Irã para fazer chegar sua ajuda ao Hamas e ao grupo xiita Hezbollah. Com o ditador Bashar Assad lutando pela sobrevivência, é natural que o Hamas busque se fortalecer internamente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.