Cristãos iraquianos rezam e jejuam pela paz

Preocupados com um possível ataque militar dos EUA contra seu país, muitos cristãos iraquianos jejuaram nesta sexta-feira e rezaram pedindo a paz. Fiéis de todas as idades compareceram às igrejas para as orações da tarde convocadas pelos clérigos cristãos. Cerca de 5% dos 22 milhões de iraquianos são cristãos, enquanto que a vasta maioria da população é muçulmana xiita ou sunita. Na igreja de Nossa Senhora do Bom Parto, no bairro de alta classe média de Karradah, em Bagdá, cerca de 500 católicos assírios ergueram-se para cantar "Perdoai-nos, Senhor, edai-nos a paz". As chamas das velas acesas diante da imagem da Virgem Maria tremulavam à entrada do templo no qual os fiéis foram assistir à missa. A jornada especial de orações ocorre poucos dias antes do retorno dos inspetores da ONU ao país pela primeira vez em quatro anos. O presidente dos EUA, George W. Bush, advertiu que o Iraque será alvo de uma ação militar se não cooperar com os inspetores que buscam armas nucleares, químicas e biológicas. O Iraque vem sofrendo sanções econômicas por parte das Nações Unidas desde 1990, após invadir o vizinho Kuwait. As resoluções adotadas pelo Conselho de Segurança da ONU após a invasão exigem que o Iraque acabe com suas armas de destruição em massa, e a exigência foi reiterada em uma resolução aprovadana semana passada. Durante o sermão, o padre Raphael Qoteimi afirmou: "Estamos rezando pelo Iraque, que vem sofrendo há anos por causa da guerra, e até hoje continuamos ameaçados pela guerra".Os cristãos não têm um papel de destaque no governo do presidente Saddam Hussein; o político de maior destaque nessegoverno é o vice-primeiro-ministro Tarek Aziz. Embora a seitaislâmica xiita seja a predominante no país, o governo é dominadopelos muçulmanos sunitas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.