Cristãos representam 2,1% dos habitantes de Israel

Pela Lei do Retorno sancionada pelo Parlamento israelense (Knesset) pouco depois da fundação de Israel, os judeus do mundo têm direito a receber automaticamente a cidadania se vierem para o país

EFE

25 de dezembro de 2007 | 06h48

A comunidade cristã em Israel é um do grupos de menor representatividade no país, com apenas 2,1% da população total, segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo Escritório Central de Estatísticas (OCE). Os membros da comunidade cristã são 152.000, sendo 80% de nacionalidade árabe. Os demais pertencem a grupos de imigrantes que se estabeleceram no país como cônjuges ou parentes de judeus, em sua maioria vindos da extinta União Soviética. Pela Lei do Retorno sancionada pelo Parlamento israelense (Knesset) pouco depois da fundação de Israel, os judeus do mundo têm direito a receber automaticamente a cidadania se vierem para o país. Um total de 74% dos cidadãos cristãos reside no norte, na Galiléia, e 11% no distrito de Jerusalém, segundo a OCE, que divulgou estes dados por causa do Natal. Em 2006, 98% dos cristãos residia em centros urbanos. Nazaré é a cidade israelense com mais habitantes cristãos: 20.000, vinculados à Igreja Católica e à Igreja Ortodoxa Grega, sob cujo controle estão os principais santuários, o Santo Sepulcro, em Jerusalém, e a Basílica da Natividade em Belém, no território da Cisjordânia. A segunda comunidade cristã em importância, com 17.000 membros, está estabelecida na cidade portuária de Haifa. Em Jerusalém são 15.000, e na cidade de Shfar'am há outros 8.800.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.