Cristina exige termo ''''presidenta''''

Ela rejeita documentos com outra grafia

O Estadao de S.Paulo

29 de janeiro de 2008 | 00h00

"Presidenta! Comecem a se acostumar. Presidentaaa...e não presidente!" Era desta forma, esticando a letra "a" para destacar a feminilidade da palavra, que a então candidata presidencial argentina Cristina Kirchner deixava claro, em seus comícios de campanha, que faria questão de ser chamada de "presidenta" se vencesse as eleições presidenciais.Na época, políticos e funcionários públicos consideraram que as declarações da então primeira-dama não passavam de uma brincadeira. No entanto, desde que assumiu o governo em dezembro, a decisão de Cristina fez com que a Casa Rosada - sede da presidência argentina - rejeitasse no último mês mais de 300 documentos que a chamavam de "presidente".No final de 2008, a Argentina completará 25 anos da volta à democracia e, pela primeira vez em sua História, é governada por uma mulher eleita nas urnas. Embora o país esteja longe de estar em uma situação de igualdade dos sexos, a presença de mulheres na estrutura do poder político aumentou de forma gradual e persistente. Dessa forma, nas últimas eleições, o tradicional machismo argentino deu sinais de que está encolhendo, já que 68% do eleitorado votou em mulheres.Gramáticos indicam que "presidente" está correto, mas que, por questões de costume, nos últimos anos, a palavra "presidenta" tornou-se aceitável. Analistas políticos, porém, afirmam que a insistência fora do comum de Cristina com a palavra é mais uma amostra do autoritarismo do casal Kirchner do que uma preocupação gramatical.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.