Cristina Kirchner assume hoje com amplos poderes

A presidente argentina, Cristina Kirchner, receberá hoje de si mesma a faixa e o bastão presidenciais, em uma cena protagonizada até agora somente pelos reeleitos Juan Domingo Perón, em 1952, e Carlos Menem, em 1995. Cristina iniciará seu segundo mandato, que concluirá em dezembro de 2015, sem chances constitucionais de tentar nova reeleição.

AE, Agência Estado

10 de dezembro de 2011 | 08h47

O segundo mandato de Cristina - único caso de uma mulher reeleita presidente na América Latina - será o terceiro governo do kirchnerismo. E será o primeiro mandato de Cristina sem a figura de seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2007), que morreu há 14 meses. A presidente Dilma Rousseff estará entre os convidados.

Cristina assume com amplo poder, conseguido com os 54,1% dos votos obtidos nas eleições presidenciais de outubro, além de iniciar o mandato com maioria - graças a parlamentares próprios e aliados - no Senado e na Câmara.

Entre os 24 governadores das províncias, Cristina terá a obediência direta de 19. Com apoios ocasionais de outros 3, somente dois governadores - Maurício Macri, do Distrito Federal de Buenos Aires, e Cláudio Poggi, de San Luis - representam a oposição. Macri diz que pretende evitar confrontos com a presidente.

Na Câmara de Deputados, a presidente Cristina - que comanda a Frente pela Vitória, uma sublegenda do Partido Justicialista (peronista) - contará com 115 parlamentares próprios, além de 20 aliados. Portanto, ela terá 135 deputados (6 cadeiras a mais do número necessário para o quórum, de 129 cadeiras). Encerra-se a fase dos últimos dois anos, quando o governo ficou em minoria.

Cristina herdará do governo anterior - isto é, dela mesma - uma série de problemas econômicos. A equipe da área permanecerá praticamente a mesma, à exceção do ministro da Economia - já que o ocupante dessa pasta, Amado Boudou, será seu vice-presidente.

Desde as eleições, em 23 de outubro, a presidente afastou-se dos sindicatos - o histórico suporte político dos governos peronistas - e aproximou-se do empresariado, com o qual havia tido uma relação tensa desde sua posse, em 2007. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
posseCristina KirchnerArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.