AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH
AFP PHOTO / EITAN ABRAMOVICH

Cristina Kirchner irá a julgamento oral por caso financeiro na Argentina

Juiz federal Claudio Bonadio julgará a ex-presidente e outros dois membros de seu governo por 'administração fraudulenta em prejuízo à administração estatal' em razão de política monetária adotada no fim da gestão

O Estado de S.Paulo

23 de março de 2017 | 15h41

BUENOS AIRES - A ex-presidente argentina Cristina Kirchner (2007-2015) irá a julgamento oral por suposto prejuízo ao Estado em operações cambiais do Banco Central ao fim de seu governo, segundo uma decisão do juiz Claudio Bonadio divulgada nesta quinta-feira, 23.

A data do julgamento pelo caso chamado "dólar futuro" será definida pelo tribunal oral responsável pelo processo. Junto a Cristina, de 64 anos, serão julgados o ex-ministro da Economia e atual deputado Axel Kicillof e o ex-presidente do Banco Central da Argentina (BCRA) Alejandro Vanoli, informou o Centro de Informação Judicial (CIJ). O magistrado os acusa de ter causado dano financeiro ao Banco Central por suas medidas contra a desvalorização em 2015.

Cristina, Kicillof e Vanoli serão julgados pelo delito de "administração fraudulenta em prejuízo à administração estatal", em uma polêmica acusação referida à política monetária do governo passado, segundo a decisão do juiz de 27 folhas na qual deu por encerrada a etapa de instrução.

Por esse motivo, em maio de 2016, o juiz Bonadio processou Kirchner e embargou seus bens no valor de 15 milhões de pesos (1 milhão de dólares).

A operação com dólares a futuro consiste em fixar um preço da divisa durante três ou quatro meses, como investimento. Se a taxa de câmbio cair, o Banco Central ganha dinheiro, mas se houver desvalorização a instituição perde.

Uma das primeiras medidas do presidente Mauricio Macri após assumir em 10 de dezembro de 2015 foi liberar a taxa de câmbio e a desvalorização chegou a 32%.

Em sua defesa, a ex-presidente afirmou que quem comprou os dólares a futuro foram os empresários, muitos deles funcionários do governo de Macri e todos eles foram autorizados pelo juiz Bonadio a cobrar os juros futuros.

Sobre Kirchner, que se diz "vítima de uma perseguição judicial e midiática", pesam outras três acusações, uma delas por suposta corrupção com negócios imobiliários da família, um caso que também está nas mãos de Bonadio. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.