Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Cristina Kirchner não quer vice em nova posse

Presidente quer evitar que Cobos conduza a leitura de seu juramento presidencial

ARIEL PALACIOS , CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2011 | 03h03

BUENOS AIRES - A presidente argentina, Cristina Kirchner, reeleita em outubro, não deseja a presença de seu vice-presidente, Julio Cobos, na posse de seu segundo mandato. Cristina, que considera o vice um "traidor", quer driblar a Constituição do país e evitar que Cobos - também presidente do Senado - conduza a leitura de seu juramento presidencial, como determina a Carta.

Veja também:

linkCristina e aliados dominarão Congresso

blog NUESTRA AMÉRICA: Diário das eleições argentinas

blog ARIEL PALÁCIOS: Os bastidores de Buenos Aires 

Os assessores jurídicos da Casa Rosada estão elaborando estratégias para modificar a tradicional cerimônia, marcada para o dia 10. O argumento do governo é o de que Cristina, por ter sido reeleita, sucede a si mesma e, portanto, poderia ler o próprio juramento. Na sequência, Cristina pegaria de cima da mesa da presidência do Senado a faixa e o bastão presidencial.

Mas historiadores recordam que no caso anterior de reeleição, de Carlos Menem, em 1995, o presidente do Senado - seu irmão, Eduardo Menem - tomou o juramento.

A Constituição argentina determina que o vice-presidente da República é o presidente do Senado. Nesse posto, em 2008, Cobos usou seu voto de minerva e reprovou o "impostaço agrário", projeto de lei que Cristina queria aprovar. Desde então, a presidente nunca mais falou com ele. Em diversas ocasiões, os ministros de Cristina exigiram a renúncia de Cobos. No entanto, ele resistiu. Rumores indicam que o governo pretenderia que Cobos renunciasse a seu cargo minutos antes da posse, para que outra autoridade tome o juramento. Os assessores de Cobos dizem que não foram notificados sobre alterações.

Para os próximos quatro anos, Cristina optou por um vice de comprovada fidelidade, o atual ministro da Economia, Amado Boudou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.