Cristina Kirchner não reconhecerá eleito na CGT

A Confederação Geral do Trabalho (CGT) reelegerá oficialmente nesta quinta-feira o caminhoneiro Hugo Moyano para o posto de secretário-geral da maior central sindical da Argentina. No entanto, o ministro do Trabalho, Carlos Tomada, anunciou que o governo não reconhecerá a eleição do sindicalista, que foi o principal aliado na área social da presidente Cristina Kirchner e do ex-presidente Néstor Kirchner durante nove anos, até o racha entre ambos, há poucos meses. O governo destacou que a única CGT que reconhecerá será aquela composta pelos sindicatos que realizarão a eleição em outubro. Desta forma, torna-se oficial o racha dentro da maior central sindical do país.

ARIEL PALACIOS, CORRESPONDENTE, Agência Estado

11 de julho de 2012 | 23h48

A presidente Cristina já emplacou um líder para a central sindical "oficial", o metalúrgico Antonio Caló, que nesta quarta-feira declarou alinhamento automático com a Casa Rosada: "não faço greves contra o governo. Faço greves contra empresários". Calo levaria consigo para a CGT kirchnerista um total de 80 sindicatos.

Um dos aliados de Moyano, o líder do sindicato de trabalhadores rurais e estivadores, Gerónimo Venegas - crítico do governo Kirchner há tempos - fez um alerta: "caso o governo não reconheça esta CGT (a "rebelde"), haverá greve geral". A CGT de Moyano conta com 100 sindicatos. O sindicato dos caminhoneiro é seu principal reduto, com o qual é capaz de mobilizar mais de 100 mil caminhões para bloquear as principais estradas do país.

Além destas duas CGTs existe outra, a "CGT Azul e Branca", comandada pelo sindicalista Luis Barrionuevo, que nos anos 90 ficou famoso com a frase "é preciso deixar de roubar uns dois anos para que a Argentina se recupere". Barrionuevo, que rachou com Moyano há dois anos, levando consigo parte dos sindicatos, é crítico da presidente Cristina, embora pragmático. Os analistas da área sindical afirmam que ele não hesitaria em respaldar o governo, caso seja conveniente.

Além destas três facções da CGT o cenário sindical é composto pela Central dos Trabalhadores Argentinos (CTA), que após uma eleição embalada em denúncias de fraudes em 2010 rachou em uma ala kirchnerista e outra anti-kirchnerista. Desta forma, o panorama sindicalista argentino contará a partir de outubro com cinco centrais inimigas entre si. O único ponto em comum entre todas é que cada uma alega que é a representante dos ideais trabalhistas do presidente Juan Domingo Perón (1895-1974).

Mais conteúdo sobre:
ArgentinaCGTeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.