Daniel VIDES / NOTICIAS ARGENTINAS / AFP
Daniel VIDES / NOTICIAS ARGENTINAS / AFP

Cristina Kirchner reaparece e responsabiliza Macri por crise na Argentina

Cristina negou que as turbulências nos mercados suscitadas após as primárias, com uma forte escalada no preço do dólar, sejam responsabilidade da Frente de Todos

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2019 | 00h41

BUENOS AIRES - A ex-presidente argentina Cristina Fernández, candidata à vice-presidência pela chapa coalizão Frente de Todos, reapareceu neste sábado, 31, após as primárias do último dia 11 e responsabilizou o atual chefe de Estado, Mauricio Macri, pela crise vivida na Argentina.

"Sabíamos que ganharíamos, mas não pela diferença de votos que conseguimos", disse a ex-governante em um evento na cidade de La Plata para apresentar o seu livro, "Sinceramente".

Foi a primeira aparição pública da senadora após as primárias, nas quais a Frente de Todos, do peronista Alberto Fernández, obteve 47,78% dos votos, contra 31,79% obtido por Macri, que tentará a reeleição no dia 27 de outubro.

Cristina afirmou que, ao deixar a Presidência, no final de 2015, a Argentina tinha problemas, como o da inflação, mas era um país que, segundo ela, "estava encaminhado". Agora, porém, tem uma economia em recessão desde abril de 2018 e uma severa situação financeira. "O quadro é infinitamente pior e quase impossível de resolver", afirmou.

A ex-presidente declarou que durante os 12 anos de kirchnerismo no poder foram pagas dívidas contraídas em governos anteriores, incluindo US$ 9 bilhões abatidos pelo marido e então chefe de governo Néstor Kirchner junto ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2005.

"Agora, em menos de quatro anos, estamos outra vez com o Fundo (FMI) e com 57 bilhões de dólares de dívida. Quando saí, deixamos praticamente em uma condição não melhorável em matéria de dívida", disse.

Cristina negou que as turbulências nos mercados suscitadas após as primárias, com uma forte escalada no preço do dólar, sejam responsabilidade da Frente de Todos, tal como dito pelo governo.

"A nós, que passamos tempo pagando as dívidas de outros, as atuais autoridades vêm dizer que o que está acontecendo é pelos populistas. O que peço é um pouco de decoro quando se fala", afirmou.

"Tanto o resultado do que está acontecendo na economia quanto o resultado das primárias são o resultado das políticas levadas adiante por este Governo desde o dia 10 de dezembro de 2015. Se tivessem feito as coisas bem feitas, teriam sido reeleitos", acrescentou.

Por fim, Cristina criticou Macri por ter feito o que os setores econômicos lhe pediam. "O problema é que quando alguém é presidente não pode fazer tudo que lhe pedem, mas articular os interesses pensando nos países e nas maiorias", comentou. EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.