Agustin Marcarian/Reuters
Agustin Marcarian/Reuters

Cristina Kirchner renuncia a salário como vice-presidente da Argentina

Decisão foi tomada após a Administração Nacional de Previdência Social restaurar sua pensão vitalícia por ter comandado o país

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2021 | 22h29

BUENOS AIRES - O governo da Argentina oficializou nesta quarta-feira, 7, por meio de uma resolução publicada no Diário Oficial, a decisão de Cristina Kirchner, que recebe uma pensão e uma aposentadoria, de deixar de receber seu salário como vice-presidente do país.

O documento, que tem a assinatura do secretário-geral da Presidência, Julio Vitobello, comunica à Diretoria Geral de Recursos Humanos e à Diretoria Geral de Administração a decisão da ex-presidente argentina.

Segundo o texto oficial, a vice-presidente comunicou em 5 de março à Secretaria Geral da Presidência a decisão de renunciar a partir de 1º de abril à remuneração pelo cargo exercido por ela desde 10 de dezembro de 2019.

Cristina havia decidido pela renúncia ao salário depois que a Administração Nacional de Previdência Social, o órgão estatal que administra o sistema de aposentadoria, notificou que reintegraria a pensão vitalícia da política por ter estado à frente do governo argentino entre 2007 e 2015. O benefício foi retirado durante o governo de Mauricio Macri, de 2015 a 2019.

Em 2017, a ex-chefe de Estado iniciou uma ação judicial contra a retirada da aposentadoria e, no final do ano passado, um juiz ordenou que o benefício fosse restaurado. Ela também recebe uma pensão como viúva do ex-presidente Nestor Kirchner, que morreu em 2010. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.