Cristina Kirchner será operada de câncer nesta 4ª feira

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, chegou há nesta manhã ao Hospital Austral, onde será submetida a uma cirurgia para retirar um tumor maligno no lóbulo direito da glândula tireoide. A operação, cujo início estava previsto para as 9 horas (de Brasília), pode durar entre uma hora e meia e três horas. A expectativa é de que o primeiro boletim médico seja divulgado às 12 horas.

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE, Agência Estado

04 de janeiro de 2012 | 09h34

Um forte esquema de segurança foi montado dentro e fora do hospital, onde uma vigília de seguidores de Cristina foi montada desde ontem, com cartazes, bandeiras, flores, velas, orações e cantos para apoiar a presidente. O hospital está localizado em Pilar, na província de Buenos Aires, distante cerca de uma hora do centro da capital federal. Segundo o chefe da Casa Militar, coronel Agustín Rodríguez, o hospital foi cercado por grades de proteção para evitar a aproximação dos milhares de argentinos que estão em frente à instituição.

A presidente passou a terça-feira na residência oficial da Quinta de Olivos, onde desembarcou no começo do dia, regressando de um breve descanso de fim de ano na cidade de El Calafate, na Patagônia. Cristina será operada pelo cirurgião mais importante do país especializado em cirurgias oncológicas, Pedro Saco. O médico é chefe do Serviço de Cabeça e Pescoço do Instituto Angel H. Roffo, o hospital de maior prestígio no tratamento de câncer da Argentina. Um dos médicos da equipe de Saco, Santiago Zund, explicou à imprensa local que o prognóstico sobre a cirurgia e a cura de Cristina é "positivo", já que não há metástase.

O pós-operatório de Cristina será de entre 48 e 72 horas de internação, e 20 dias de licença médica, período em que a Presidência do país será exercida pelo vice-presidente, Amado Boudou. Após a internação, a Presidente passará alguns dias na residência oficial para se fortalecer e, logo depois, se não houver complicações, continuaria com o repouso na residência familiar de El Calafate, acompanhada pelo médico presidencial, Luis Buonomo.

Aos 58 anos de idade, Cristina Kirchner assumiu o segundo mandato no último dia 10 de dezembro, para o qual foi eleita com 54% dos votos. Doze dias depois, em um exame de rotina, segundo informou o porta-voz da Presidência, Alfredo Scoccimarro, se detectou a doença, que foi confirmada posteriormente por exames detalhados. A notícia foi anunciada somente no dia 27 passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.