Cristina Kirchner volta ser internada

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, chegou há pouco à Fundação Favaloro, clínica onde ficou internada no último sábado e foi diagnosticada com hematoma no cérebro. O governo ainda não informou se a presidente vai realizar novos exames de controle ou uma cirurgia para drenagem do sangue acumulado na membrana que cobre o cérebro. A Fundação Favaloro preparou uma sala de cirurgia e uma ala especial para atender à presidente, que teria sentido novos sintomas de cefaleia nas últimas horas.

MARINA GUIMARÃES, CORRESPONDENTE, Agência Estado

07 de outubro de 2013 | 14h25

As imagens das emissoras de TV locais mostraram que a presidente chegou à clínica às 13 horas. No sábado à noite, depois de mais de seis horas internada na Fundação Favaloro, o porta-voz da presidência, Alfredo Scoccimarro, leu uma nota oficial assinada pela unidade médica presidencial, na qual revelou que a presidente foi diagnosticada com um hematoma no cérebro, resultado de um traumatismo craniano provocado por um tombo no dia 12 de agosto. A nota informou que, naquela ocasião, a presidente submeteu-se a uma tomografia e o resultado foi normal.

A nota explicou ainda que Cristina sentia arritmia cardíaca e dores de cabeça. Por esta razão, decidiu fazer exames no sábado na principal instituição da Argentina que trata doenças cardíacas e neurológicas. No sábado, o governo informou que a presidente ficará 30 dias de repouso.

Tudo o que sabemos sobre:
ArgentinaCristinainternação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.