Cristina perde apoio de empresários argentinos

A decisão do presidente venezuelano, Hugo Chávez, de estatizartrês empresas argentinas está fazendo o setor industrialArgentino voltar-se contra o governo da presidente CristinaKirchner. Aliada de Chávez (um grande comprador de títulosda dívida argentina), Cristina mostrou-se resignada comAs estatizações."Essa é uma decisão soberana da Venezuela", disse, no início da semana. O cenário complicou-se quando Chávez garantiu ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva que o processo de estatizações "não afetaria empresas brasileira". Na quarta-feira, o venezuelano alegou que a promessa era uma"brincadeira", e Cristina aceitou a explicação.A Associação Empresarial Argentina (AEA) e a Câmarados Exportadores Argentinos protestaram. "Internamente, apercepção é que Cristina protege a Venezuela em detrimentodos interesses do empresariado argentino", disse ao Estadoo colunista econômico Néstor Scibona.Em 2008, Chávez estatizou a Sidor, controlada pelo argentinoGrupo Techint. Na semana passada, foi a vez da a Tavsa, aMatesi e a Comsigua, que pertencem ao Techint. "Chávezprejudicou Cristina num momento crucial da campanha paraas eleições (parlamentares de julho)", disse a analista GracielaRömer.Em 2008, um conflito como os ruralistas fez a popularidadeda presidente cair drasticamente.

Ariel Palacios, BUENOS AIRES, O Estadao de S.Paulo

29 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.