Cristina reaparece e diz que 'não será extorquida' por juiz

Após três semanas de internação e repouso, presidente da Argentina comenta denúncias de irregularidades em sua empresa e reclama da falta de investimentos dos empresários do país

ARIEL PALACIOS - CORRESPONDENTE / BUENOS AIRES , O Estado de S. Paulo

25 Novembro 2014 | 21h13

BUENOS AIRES – A presidenteCristina Kirchner fez, nesta terça-feira, 25, sua primeira aparição pública após trêssemanas divididas entre uma internação por uma inflamação no sigmoide - partedo cólon - e o repouso na residência oficial de Olivos. Cristina, convidadaespecial da reunião anual da Câmara Argentina da Construção, fez um discurso noqual reclamou da falta de investimentos dos empresários argentinos e fez elogios à sua própria administração da economia do país. 

Cristina também fezreferências ao juiz Claudio Bonadío, que investiga irregularidades naempresa que administra o hotel de luxo que a presidente possui na cidade de ElCalafate, na Província de Santa Cruz, feudo político dos Kirchners: “nenhum‘carcará’ (ave predadora da família dos falcões) judiciário vai me extorquir!”. 

O juiz Bonadío suspeita que ohotel foi usado para operações de lavagem de dinheiro. A Justiça constatouirregularidades nos balanços da empresa e na composição acionária, entreoutras.

O vice-ministro da Justiça,Julián Álvarez, em declarações à imprensa, minimizou as irregularidades nacontabilidade da Hotesur: “Deve ter sido um erro do contador. Vocês não podem achar que a presidente Cristina ficará de olho se o balanço da empresa foiou não apresentado à Receita Federal...”

A deputada kirchnerista DianaConti, que no ano passado havia liderado a campanha “Cristina Eterna” (paraalterar a constituição, de forma a permitir reeleições indefinidas dapresidente), declarou ontem que “todos conhecem a honestidade de Cristina.Ninguém se atreva a prejudicá-la de forma impune, pois não deixaremos!”

Saúde. No dia 2, Cristina foi internada no hospital Otamendi por uma inflamação nocólon, embora informações extraoficiais indiquem que foi uma diverticulite.Depois de uma semana no hospital, foi transferida à residência oficial deOlivos, onde – embora sob ordens médicas de repousar – continuou emitindoordens aos ministros por mensagem de texto, além de colocar recados no Twitter.No fim de semana, descansou em El Calafate, onde possui uma mansão.

Em dezembro de 2011, o governoanunciou, de forma categórica, que a presidente tinha um câncer natireoide. No entanto, um mês depois, após a remoção da glândula de Cristina, aCasa Rosada teve de admitir que não existia câncer algum.

Em outubro de 2013, Cristina foiinternada para uma cirurgia para drenar um hematoma no crânio, causado por umtraumatismo sobre o qual o governo jamais deu explicações. Na época, os médicosda presidente também revelaram que ela padecia uma arritmia cardíaca. Além disso, a presidente acumulaum histórico médico de desmaios frequentes desde 2003. 

Mais conteúdo sobre:
Cristina KirchnerArgentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.