Cristina rejeita mudanças bruscas

Primeira-dama diz que correções de rumo serão feitas gradualmente

Ariel Palacios, BUENOS AIRES, O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2010 | 00h00

A primeira-dama e senadora argentina, Cristina Kirchner, afirmou ontem que, se vencer as eleições presidenciais de outubro, não realizará mudanças bruscas na política de seu marido, o presidente Néstor Kirchner. "Tenho consciência de que algumas coisas devem ser corrigidas, do ponto de vista econômico e do institucional. Mas qualquer mudança deverá ser gradual."A declaração foi feita em Berlim, Alemanha, onde Cristina desembarcou no fim de semana para reunir-se com a chanceler Angela Merkel e com lideranças empresariais. Durante a visita oficial, a candidata tem-se esforçado para mostrar-se mais amistosa com os mercados, amenizando a imagem deixada pelo marido.Entre as principais reivindicações dos empresários argentinos - e importante ponto de atrito entre o governo Kirchner e o mercado - está o fim do congelamento de tarifas dos serviços públicos privatizados, uma política intransigente adotada pelo atual presidente. Em relação ao tratamento com a imprensa, a expectativa é que Cristina não mude a política de Kirchner, que foi o presidente argentino que menos conversou com a mídia desde a redemocratização.Recentemente, a oposição denunciou Cristina na Justiça por discriminar premeditadamente jornalistas argentinos durante sua recente viagem à Espanha. Ali, Cristina atendeu a imprensa espanhola, mas negou-se a falar com seus compatriotas. CANDIDATOSNo sábado, venceu o prazo para o registro das candidaturas presidenciais. De um total de 14 candidatos, sete são considerados de esquerda. A soma de suas intenções de voto, porém, não chega a 7%. O ex-presidente Carlos Menem não apresentou sua candidatura. Segundo as pesquisas, Cristina Kirchner, da coalizão Frente pela Vitória, sublegenda do Partido Peronista, venceria com 43% dos votos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.