AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI
AFP PHOTO / ALBERTO PIZZOLI

Cristina volta à mira da Justiça em caso levantado por Nisman

Promotor deu razão a recurso de colega sobre a denúncia de encobrimento de iranianos no caso Amia

Rodrigo Cavalheiro, correspondente / Buenos Aires, O Estado de S. Paulo

19 de março de 2015 | 14h39


BUENOS AIRES - O promotor Germán Moldes deu razão nesta quinta-feira, 19, ao recurso de seu colega Gerardo Pollicita e recolocou nas mãos da Justiça argentina a denúncia por encobrimento feita por Alberto Nisman quatro dias antes de ser encontrado morto com um tiro na cabeça, em 18 de janeiro.

A acusação que envolve a presidente Cristina Kirchner, o chanceler Héctor Timerman e outros dirigentes kirchneristas chegou a ser rejeitada pelo juiz Daniel Rafecas no dia 26 de fevereiro. Ele argumentou que o pacto entre Argentina e Irã para que iranianos acusados pelo atentado contra a Associação Mutual Israelita-Argentina (Amia), que matou 85 em 1994, fossem ouvidos em Teerã nunca foi colocado em prática. Segundo Rafecas, a tese de Nisman, de que o acordo era uma fachada para uma aproximação comercial, nunca se concretizou. Ele também alegou que os pedidos de captura de alguns acusados pela Interpol, que segundo o promotor morto seriam removidos pelo governo para que os negócios avançassem, continuaram valendo.

O bloqueio à investigação foi alvo de apelação do promotor Gerardo Pollicita, que no dia 13 de fevereiro havia impulsionado a denúncia de Nisman e indiciado os envolvidos. Sobre esse recurso decidiu agora Moldes com críticas ao juiz Rafecas, a quem considerou "inusualmente apressado". A oposição havia criticado a velocidade e a dureza com que Rafecas, envolvido em processos administrativos que podem lhe custar o cargo, havia decidido a favor do governo. Moldes pede ao tribunal que rejeite a decisão de Rafecas e siga a apuração.

"Um magistrado inusualmente apressado enervou todo o processo e chegou à conclusão - sem pedir a produção de nenhuma prova - de ausência de delito", escreveu. Moldes complementou: "É necessário investigar, pôr em movimento o processo e desentranhar o acontecimento que chegou a nosso conhecimento".

A autoridade de Moldes para trabalhar no caso foi contestada por dois dos indiciados, Andrés Larroque, pertencente à juventude kirchnerista La Cámpora, e Ramón Bogado, que o consideraram sem isenção suficiente por ter sido um dos líderes da marcha de 18 de fevereiro, uma homenagem a Nisman considerada um ato opositor pelo kirchnerismo. A argumentação deles foi ignorada pelo tribunal, sob alegação de que essa isenção se exigiria de um juiz, não de um promotor.

A expectativa recai agora sobre a sala 1 da câmara federal de Justiça, que decidirá o futuro da denúncia. A sala é composta por três juízes: Eduardo Freiler, Jorge Ballestero e Eduardo Farah. Segundo o jornal La Nación, eles mantêm certa afinidade com o governo, mas são os mesmos que declararam a inconstitucionalidade do acordo com o Irã na causa AMIA - nunca aprovado pelo Congresso iraniano - e confirmaram o processo contra o vice-presidente argentino, Amado Boudou, em um caso em que ele responde por corrupção, duas decisões contrárias aos interesses da presidente Cristina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.