Criticada suspensão de processo contra Pinochet

Os familiares das vítimas do regime de Augusto Pinochet qualificaram de vergonhosa a decisão judicial de suspender o processo, por seqüestros e assassinatos, contra o ex-ditador, e disseram que os tribunais continuam protegendo os algozes. Viviana Díaz, presidente do Grupo de Familiares de Detidos Desaparecidos, disse que é "realmente incrível e vergonhoso para o país que mais uma vez os tribunais dêem prioridade a outras razões e não aos fatos". Segundo Díaz, diante desta decisão Pinochet deve ter "zombado de todos os chilenos. Qualquer chileno comum a esta altura já estaria fichado criminalmente e na cadeia". Por sua vez, o presidente Ricardo Lagos reiterou que "as decisões dos tribunais devem ser acatadas, e não comentadas". "A única coisa que eu pediria é que esta decisão seja acatada com o mesmo respeito que qualquer outra decisão de nossos tribunais", acrescentou. Isabel Allende - filha do presidente Salvador Allende, que foi deposto por Pinochet em setembro de 1973 - comentou que o ex-ditador "realmente nunca foi capaz de enfrentar a Justiça". "Ele sempre se esquivou da Justiça, e nunca foi capaz de enfrentá-la para dizer ´sim, sou inocente e vou demonstrá-lo´", declarou Allende. A decisão que suspendeu o processo de Pinochet não faz referência à sua culpabilidade ou inocência no caso dos 75 homicídios investigados pelo juiz Juan Guzmán.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.