Criticado, ministro da Defesa da Coreia do Sul renuncia

Resposta de Seul a ataque norte-coreano não foi considerada firme o bastante

AE, Agência Estado

25 de novembro de 2010 | 09h39

SEUL - O ministro da Defesa da Coreia do Sul, Kim Tae-young, renunciou ao cargo nesta quinta-feira, 25, informou o governo. O presidente Lee Myung-bak aceitou a demissão.

 

Veja também:

video TV Estadão: Roberto Godoy analisa nova crise coreana

blog Radar Global: Veja imagens do ataque norte-coreano

documento Arquivo Estado: O armistício de Pan-Mun-Jon

especial Infográfico: As origens do impasse na península coreana

lista Entenda a crise entre os dois países 

 

A renúncia de Kim ocorre dois dias após a Coreia do Norte realizar um ataque a uma ilha sul-coreana, que deixou dois militares e dois civis mortos. Parte da oposição sul-coreana criticou a resposta de Seul à crise, esperando uma posição mais firme.

 

Kim havia sido nomeado ministro da Defesa quando Lee chegou ao poder, em setembro de 2009. Ele era um dos ministros que estavam havia mais tempo no cargo. Nesta quinta, Kim chegou a visitar a ilha atacada. O presidente sul-coreano prometeu reforçar as tropas na área.

 

Disparos de artilharia norte-coreanos atingiram a ilha de Yeonpyeong, da Coreia do Sul, no Mar Amarelo, e deixaram ao menos dois soldados e dois civis mortos e dezenas de feridos. Seul respondeu com mais disparos, mas Pyongyang acusa os sul-coreanos de terem iniciado o conflito.

 

A ação levou vários países ocidentais aliados à Coreia do Sul a condenar a ação norte-coreana. Os EUA, o principal dos parceiros, já anunciaram que realizarão exercícios militares na região da fronteira no próximo domingo em retaliação ao ataque.

 

Os dois países se encontram tecnicamente em conflito desde que a Guerra da Coreia (1950-1953) foi encerrada pelo armistício em vez de um tratado de paz. Desde então, o acirramento das tensões entre as duas nações asiáticas é frequente.

 

Saiba mais:

linkCoreia do Sul reforça segurança na fronteira

linkPyongyang rejeita diálogo com ONU e culpa EUA por tensões

 

Um dos episódios mais recentes dos atritos entre os países foi o afundamento do navio sul-coreano Cheonan. Seul acusa Pyongyang de estar por trás do ataque, que matou 46 marinheiros. A Coreia do Norte, que está sob pressão pelas suspeitas de estar ampliando seu programa nuclear, nega.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.