Crítico de Chávez é preso na Venezuela

Baduel teria sido detido para depor sobre um caso de uso irregular de fundos públicos

AP, AFP E EFE, O Estadao de S.Paulo

04 de outubro de 2008 | 00h00

O general da reserva e ex-ministro da Defesa da Venezuela, Raúl Baduel, foi detido ontem por funcionários da Direção de Inteligência Militar (DIM) quando caminhava com sua família no bairro El Limón, no município Mario Briceño Iragorry, no Estado de Aragua. Baduel foi detido para interrogatório sobre um caso de uso irregular de fundos públicos no período em que chefiou o ministério.Segundo o promotor Nelson Morales, citado pelo jornal El Universal, Baduel foi levado para a sede da promotoria militar em Aragua apenas para prestar declarações. A promotoria argumentou em várias ocasiões que Baduel não compareceu às audiências anteriores e, por isso, teve de ser detido para depor sobre o caso. O ex-ministro negou as acusações, afirmando que em 12 de abril se apresentou à promotoria para "esclarecer" qualquer acusação feita contra ele. Baduel disse que, na ocasião, não foi notificado de que teria de comparecer para depor.Imagens divulgadas pela rede de TV Globovisión mostram o momento da detenção, quando cerca de uma dezena de agentes com jaquetas da DIM e militares se aproximaram do ex-ministro e de sua mulher, Cruz María de Baduel. Os homens empurraram Baduel e o forçaram a entrar em uma caminhonete azul. O general foi proibido de comunicar-se com sua mulher.Poucos minutos após a ação, Baduel confirmou à imprensa local, por telefone, que tinha sido detido e indicou que estava sendo levado à promotoria de "maneira violenta". Ele disse que seu caso não tem "nenhuma conotação jurídica" e apenas faz parte de uma perseguição política.Juntamente com o presidente Hugo Chávez, Baduel foi um dos precursores do movimento bolivariano no Exército em 1983 e era um dos homens de confiança do líder venezuelano. Baduel foi o responsável pela operação militar que devolveu o poder a Chávez durante o golpe de Estado de 2002.No entanto, o general rompeu com o presidente em 2007, após se opor à reforma constitucional proposta por Chávez. Durante a campanha do referendo constitucional, Baduel militou contra a aprovação do texto e hoje é considerado uma das principais figuras da oposição venezuelana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.