AP/Matthias Schrader
AP/Matthias Schrader

Croatas recebem refugiados e ONGs advertem sobre minas terrestres

Premiê croata, Zoran Milanovic, critica decisão da Hungria de construir cerca para impedir entrada de imigrantes

O Estado de S. Paulo

16 Setembro 2015 | 19h54

ZAGREB - Em uma atitude distinta à do governo húngaro, o primeiro-ministro da Croácia, Zoran Milanovic, afirmou nesta quarta-feira que todos os refugiados do Oriente Médio que chegarem a seu país poderão atravessá-lo em seu caminho rumo à Europa Ocidental.

Ao mesmo tempo, ONGs, como a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), alertaram para o perigo que os imigrantes sofrem ao percorrer o território croata: as cerca de 51 mil minas terrestres remanescentes da Guerra dos Bálcãs, nos anos 90. 

O premiê criticou a atitude da Hungria e afirmou que os muros que estão sendo erguidos no continente “enviam uma mensagem horrorosa e perigosa”. “A cerca na Europa, no século 21, não é uma resposta, é uma ameaça”, afirmou Milanovic.

Segundo ele, a política migratória do governo húngaro é de caráter conservador e nacionalista, mas a Croácia está preparada para aceitar e orientar os refugiados “para onde eles quiserem ir”, sem importar sua religião ou cor de pele. 

Mas, apesar da receptividade croata, a travessia pelo país enfrenta outro problema. Em um relatório, a ONG Médicos Sem Fronteiras chamou a atenção para o risco representado pelas milhares de minas terrestres não mapeadas instaladas na fronteira com a Sérvia durante a Guerra dos Bálcãs.

Segundo o MSF, mais de 500 pessoas foram mortas por minas terrestres nos últimos 20 anos na Croácia. O órgão responsável por essa questão no país afirma que existem cerca de 51 mil minas e o trabalho de retirada dessas minas só deve ser concluído em 2019. 

O governo croata argumentou que os campos minados estão marcados com grandes sinais de alerta. Mas o conselheiro do Escritório da Croácia para Ação contra Minas, Hrvoje Debac, alertou às pessoas que permaneçam nas estradas. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.