Cronograma de saída do Iraque está mantido, dizem EUA

O comandante das forças militares norte-americanas no Iraque, general Ray Odierno, anunciou ontem que o cronograma de retirada do país até o fim de 2011 está mantido. O plano dependia do êxito da realização das eleições parlamentares de domingo. "A menos que haja um evento catastrófico, não vemos mudança", disse Odierno. "Acreditamos que estamos bem no caminho para isso. Achamos que isso (as eleições) foi mais um marco."

AE, Agencia Estado

09 de março de 2010 | 08h23

De acordo com Odierno, os atuais 96 mil soldados norte-americanos serão mantidos até maio. A partir daí, o contingente será reduzido, chegando a 50 mil no início de setembro. As tropas dos EUA supostamente deixarão a missão de combate, concentrando-se no treinamento das Forças Armadas iraquianas, que já somam 197 mil homens. Finalmente, todos os soldados devem sair até o fim de 2011.

Hoje, os soldados norte-americanos já não são visíveis em Bagdá. Foram completamente substituídos por militares e policiais iraquianos, que utilizam veículos blindados Humvees e fuzis M-4 e M-16, como os empregados pelo Exército norte-americano, embora muitos ainda empunhem os velhos AK-47. Helicópteros sobrevoam constantemente a capital, muitos tripulados por militares iraquianos. Os norte-americanos continuam presentes nas estradas e no interior do país. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueretiradaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.