Cruz Vermelha confirma resgate de soldado sequestrado pelas Farc

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha anunciou neste domingo, dia 28, que as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) libertaram o soldado colombiano José Daniel Calvo, de 23 anos, que estava em seu poder há quase um ano. Calvo foi capturado pelas Farc em 20 de abril de 2009.

AE-AP, Agência Estado

28 de março de 2010 | 15h39

O porta-voz da Cruz Vermelha, Adolfo Beteta, disse à imprensa, reunida no aeroporto da cidade de Villavicencio - capital do Departamento de Meta, cerca de 75 km ao sudoeste de Bogotá -, que Calvo já havia sido entregue à delegação humanitária, composta pela senadora colombiana Piedad Córdoba, dos delegados da Cruz Vermelha e do monsenhor Leonardo Gómez - representando a Igreja Católica.

A delegação humanitária é esperada no aeroporto de Villavicencio, de onde partiu mais cedo em um helicóptero militar cedido pelo governo brasileiro para a missão de resgate. O Brasil foi incumbido de recolher o militar sequestrado pelas Farc em um ponto não revelado da selva colombiana.

Beteta disse que "não tinha notícias preocupantes" sobre a saúde do soldado Calvo. As Farc disseram que o soldado estava enfermo, porém não tinham fornecido detalhes sobre sua doença.

O Alto Comissário para a Paz da Colômbia, Frank Pearl, disse aos repórteres no aeroporto de Villavicencio, que assim que o soldado Calvo desembarcar será transferido ao Hospital Militar de Bogotá em uma aeronave militar.

O soldado é o primeiro refém a ser libertado de forma unilateral pelas Farc em 13 meses. No início de 2009, a guerrilha libertou seis homens, entre eles dois políticos e vários militares que estavam em seu poder a mais de seis anos.

Com a entrega de Calva e, na próxima semana, do sargento Pablo Emilio Moncayo, um dos mais antigos reféns, com mais de 12 anos de cativeiro, as Farc, segundo tem dito a senadora Córdoba, vão encerrar as libertações unilaterais e reativar sua velha demanda de negociar com o governo a troca de rebeldes presos por 20 militares e políticos que continuam em seu poder.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcCruz Vermelha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.