Cruz Vermelha denuncia barreira de Israel

A Cruz Vermelha Internacional rompeu seu silêncio sobre a barreira de segurança que Israel vem erguendo e que invade partes da Cisjordânia, denunciando que ela impede ilegalmente o acesso dos palestinos às suas próprias terras. Israel foi "muito além de onde é permitido para uma força de ocupação, de acordo com o direito humanitário internacional", denunciou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha.Yaakov Levy, embaixador israelense para organizações internacionais em Genebra, disse "lamentar" que a opinião da Cruz Vermelha tenha sido tornada pública e sugeriu que isso poderia prejudicar o "bom relacionamento" do Estado judeu com a entidade. A Cruz Vermelha recomendou a Israel que remova a barreira das áreas onde ela invade terras palestinas.Israel alega precisar da barreira - um emaranhado de muros, cercas e trincheiras - para impedir a eventual entrada de militantes suicidas em seu território. Os palestinos reclamam que a barreira constitui confisco de terras, pois invade a Cisjordânia em diversos pontos, para englobar assentamentos judaicos construídos na região.A Cruz Vermelha é responsável por monitorar o cumprimento das Convenções de Genebra para guerra e ocupação, cujas cláusulas são universalmente aceitas, exigindo proteção a populações civis, vítimas e prisioneiros de guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.