Cruz Vermelha se reunirá com 14 detidos em Guantánamo

Membros do Comitê Internacional daCruz Vermelha se reunirão a partir de segunda-feira com 14 acusadosde terrorismo que passaram vários anos em prisões secretas da CIA eque foram transferidos ao centro de detenção americano na base deGuantánamo, segundo a edição de do The Washington Post. O governo do presidente George W. Bush, que durante anos se negoua aplicar as Convenções de Genebra aos que considera "combatentesinimigos" capturados na luta global contra o terrorismo, anunciourecentemente que transferiria alguns suspeitos à base naval deGuantánamo, em Cuba. Estes indivíduos tinham permanecido em centros de reclusãosecretos operados pela Agência Central de Inteligência (CIA),segundo o jornal. Um porta-voz da Cruz Vermelha disse que 12 funcionários daorganização, incluindo vários intérpretes, passarão duas semanas emGuantánamo, onde os EUA mantêm centenas de detidos, sem julgamentonem recursos legais, desde o final de 2001, acrescenta o jornal. "É possível que, em tais reuniões, a Cruz Vermelha seja aprimeira organização, alheia à administração Bush, que faça umrelatório sobre as práticas nas prisões operadas pela CIA, incluindoos métodos de interrogatório usados nelas", afirma a publicação. No entanto, as normas da Cruz Vermelha requerem que a informaçãoque for obtida não seja divulgada, e, por isso, os funcionários daorganização só poderão transmitir suas preocupações a esse respeitoàs autoridades dos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.