Cruz Vermelha sepulta "centenas" no Afeganistão

Em uma indicação de uma enorme perda de vidas durante a campanha da Aliança do Norte através do Afeganistão, a Cruz Vermelha afirmou hoje que seu pessoal está enterrando os mortos na cidade nortista de Mazar-i-Sharif. "São centenas", afirmou a porta-voz da organização, Antonella Notari referindo-se ao número de mortes.Segundo ela, os funcionários do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (ICRC, em inglês) decidiram sepultar as vítimas da guerra por "razões de saúde e dignidade". Todos serão colocados em covas com os respectivos nomes, para que as famílias mais tarde possam identificar seus mortos.De acordo com Notari, não está ainda claro se as vítimas são civis ou membros das forças talebans. Ela não soube informar também um número exato de mortos.A porta-voz do Programa Mundial de Alimentação, Christiane Berthiaume, afirmou que, "segundo os informes, em Mazar-i-Sharif está ocorrendo um monte de pilhagens, assim como sequestros de civis e homens fora de controle atirando pelas ruas da cidade". "Esperamos que as coisas se normalizem o mais breve possível", afirmou ela.Durante o final de semana, cerca de 89 toneladas de comidas foram roubadas de depósitos da ONU em Mazar-i-Sharif, onde vivem cerca de 250.000 pessoas.O Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur) informou hoje temer pela sorte de cerca de 6.000 civis afegãos que vivem em um campo ocupado pelos talebans em uma área próxima à fronteira iraniana.Em um comunicado a Acnur afirma estar "extremamente temerosa" de que os civis sejam usados como escudos humanos pelos soldados do Taleban, que estariam misturados entre os refugiados do campo, localizado em Makaki. Há informações não confirmadas de que tropas da Aliança do Norte estão cercando o local.Leia também: ONU denuncia mais de cem mortesLeia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.