Mariana Greif/Reuters
Mariana Greif/Reuters

Cruzeiro australiano com mais de 100 casos de coronavírus atraca em Montevidéu

Levados direto para um Airbus A340, os passageiros australianos e neozelandeses retornarão para seus países acompanhados por uma equipe médica no voo

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2020 | 21h13

MONTEVIDÉU - O cruzeiro australiano Greg Mortimer, com mais de 100 casos de coronavírus a bordo, atracou nesta sexta-feira, 10, no porto de Montevidéu e iniciou a retirada dos passageiros que embarcarão em um avião médico com destino a Melbourne.

Cerca de 110 australianos e neozelandeses estão sendo retirados do navio ancorado em águas uruguaias por duas semanas com mais de 200 pessoas a bordo. Ao todo, 128 pessoas deram positivo para coronavírus, segundo o proprietário do navio.

De acordo com o cronograma da operação divulgada pelo governo uruguaio, os passageiros seriam levados de ônibus para o Aeroporto Internacional de Carrasco com uma forte escolta policial. 

Uma vez no terminal aéreo, subiriam direto em um Airbus A340 com uma equipe médica à bordo que chegou a Montevidéu nesta manhã. O avião está programado para partir para a Austrália na madrugada deste sábado. 

A operação de retirada seria realizada "sob rigorosas medidas sanitárias", para que os passageiros não passassem pelas áreas da imigração nem tocassem em bagagem. 

"O contato humano é praticamente nulo", anunciou o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Talvi. "Para o Uruguai, oferecer ajuda humanitária nunca foi uma opção, mas sim um imperativo ético."

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

O governo uruguaio considera que todos os que estão no navio de cruzeiro estão contaminados pela covid-19. 

O avião foi organizado por áreas de risco, "com passageiros sentados de acordo com os resultados dos testes e o nível de atendimento necessário", afirmou a companhia de navegação australiana Aurora Expeditions, proprietária do navio, em comunicado divulgado na sexta-feira. 

Após a retirada dos australianos e neozelandeses, os mais de 80 tripulantes e cerca de 20 passageiros americanos e europeus vão ficar no navio. 

A empresa de transporte informou que está trabalhando em opções de voos charter para poder retornar todos para suas casas.  

O cruzeiro Greg Mortimer deixou Ushuaia (Argentina) rumo às Ilhas Canárias espanholas e chegou a Montevidéu quando um de seus ocupantes, o primeiro a ser retirado em 31 de março, teve problemas respiratórios associados ao coronavírus.

O Uruguai está em emergência de saúde desde 13 de março, quando foram divulgados os quatro primeiros resultados positivos para a covid-19, embora não haja quarentena obrigatória no país. /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.