Cruzeiro encalha e causa 2 mortes na Itália

O navio de cruzeiro Costa Concordia, que zarpou ontem de Civitavecchia, perto de Roma, encalhou em um banco de areia perto da Ilha de Giglio, ao sul da Toscana. A imprensa italiana informou, sem dar detalhes, que pelo menos duas pessoas morreram. De acordo com alguns relatos, vários passageiros, em pânico, lançaram-se ao mar.

ROMA, O Estado de S.Paulo

14 de janeiro de 2012 | 03h01

As mais de 4 mil pessoas que estavam a bordo - entre eles cerca de 30 turistas brasileiros, segundo informações iniciais - foram retiradas da embarcação e levadas para a ilha.

Segundo comunicado da Guarda Costeira italiana, o cruzeiro estava inclinado e a água estava entrando na embarcação, mas não havia risco de afundamento. A companhia responsável pelo cruzeiro disse que o incidente está sendo investigado. Unidades da Guarda Costeira e outros barcos, principalmente balsas que fazem o transporte entre a pequena ilha e a Toscana, participaram da retirada dos cerca de 3.200 passageiros e 1.023 membros da tripulação.

Segundo a jornalista brasileira Alana Rizzo, todos estavam jantando - aproximadamente às 21h30 locais - quando houve um blecaute. Quando a luz voltou, os passageiros perceberam que o navio se inclinava para um lado. O capitão informou que tinha ocorrido um problema elétrico. A tripulação pediu a todos que colocassem coletes salva-vidas e se preparassem para a retirada.

De acordo com Alana, todos foram levados para a ilha e tiveram de deixar seus pertences e documentos no navio. Ela disse por telefone ao Estado que tentou, sem sucesso, entrar em contato com a Embaixada do Brasil em Roma, e ninguém do navio sabia dar informações sobre o que seria feito.

De acordo com a agência de notícias EFE, o prefeito de Giglio, Sergio Otelli, tentava encontrar acomodações para todos na pequena ilha.

O navio, de 290 metros de comprimento, partiu de Savona para um tour pelo Mediterrâneo. A bordo viajavam mais de mil italianos, cerca de 500 alemães e 160 franceses. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.