CS da ONU discutirá Sudão após referendo, diz brasileira

Um dos temas mais importantes a serem tratados no Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) em fevereiro será a situação do Sudão, disse hoje a embaixadora brasileira junto à organização, Maria Luiza Viotti. O país votou no início do mês o referendo para divisão do país em dois, o Sul, que é cristão, e o Norte, que é muçulmano.

LUCIANA ANTONELLO XAVIER, Agência Estado

28 de janeiro de 2011 | 19h30

A votação durou uma semana e faz parte de acordo de paz assinado em 2005 entre as regiões do país para pôr fim a cerca de 20 anos de guerra civil. "O conselho vem acompanhando com grande interesse e de forma muito atenta a evolução da situação no país", disse. De acordo com a embaixadora, os resultados oficiais serão anunciados no início de fevereiro.

"Uma vez anunciados os resultados oficiais, faremos uma sessão aberta com a participação de um representante do governo do Sudão e um representante do Sul do país, além do secretário-geral das Nações Unidas", explicou. O CS também examinará no próximo mês a situação específica de alguns outros países, como Congo, Kosovo, Timor Leste e Guiné Bissau.

O Brasil assume no dia 1º de fevereiro a presidência rotativa do CS da ONU, que a cada mês é presidido por um de seus 15 países-membros. A embaixadora será a responsável pela função e é a primeira brasileira a ocupar o posto. A última vez que o Brasil presidiu o Conselho foi em março de 2005.

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, irá a Nova York em fevereiro, onde participa, no dia 11, de encontro com ministros do CS. O tema proposto será a inter-relação entre paz, segurança e desenvolvimento. Ainda no dia 11 haverá reunião entre Brasil, Índia, Alemanha e Japão e países do Ibas (Índia, Brasil e África do Sul).

Tudo o que sabemos sobre:
ONUSudãoConselho de SegurançaBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.