Cuba, a revolução flex

Ao ler sobre a nova diretiva do governo de Cuba, que concederá aos exilados o direito de voltar à ilha e circular com menos amarras, pensei nas Forças Armadas dos EUA. Não, o Tio Sam não está prestes a invadir a ilha. É que os sucessivos gestos do governo castrista para relaxar a mão que envolve o pescoço coletivo cubano lembram bem o lema da Westpoint, escola superior de guerra do Exército americano.

MAC MARGOLIS - É COLUNISTA DO ESTADO, CORRESPONDENTE DA NEWSWEEK E EDITA O SITE BRAZILINFOCUS.COMMAC MARGOLIS, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2012 | 03h06

Ao vestir a farda, o recruta americano "entrega todos os seus direitos civis e humanos para depois reconquistá-los, um a um, como privilégios". Como macete de controle, o esquema funciona. Tanto em Cuba quanto no quartel americano, a concessão acaba reafirmando a hierarquia. Quando é o governo, e não a Constituição, que garante (ou nega) os direitos, a nação é de súditos e não de cidadãos.

Mas como reforma, a aposta de Havana decepciona. Após meio século de solidão, a revolução precisa mudar para sobreviver. A ilha passa por franca decadência desde o fim da Guerra Fria, quando Moscou cortou de vez os subsídios polpudos para os satélites da órbita soviética.

O Estado cubano introduziu uma onda de reformas ousadas e o novo malabarismo retórico. Para salvar os trabalhadores, o governo anunciou o corte de até 1,5 milhão de funcionários estatais. Sai de cena o cartão de racionamento, que punha a mesa cubana, mas empobrecia as contas públicas. Entra o empreendedor socialista, oximoro que renovaria a revolução com lucro. Em contrapartida, o governo de Havana prometia soltar a rédea, facilitando a compra e venda de imóveis e permitindo que comerciantes informais legalizassem seus negócios. Quase dois anos depois, pouca coisa mudou.

Ajudará a mais nova rodada de afrouxamento? Ao permitir que os cubanos viajem sem necessidade de solicitar visto de saída e estender a mão aos exilados, Havana aposta que possa importar mais dinamismo à economia estagnada. Aí mora o perigo. Expatriados trazem talento e divisas, mas também ideias. Entre elas, a iniciativa particular e o empreendedorismo, ativos que não combinam com a tutela.

No Vietnã e até na China, uma nova geração de líderes comanda. Em Cuba, quem toca o barco é a mesma turma que há meio século desceu da Sierra Madre, só que hoje com artrite. Sua filosofia é a da revolução antiga, agora mais pobre e defensiva. É um passo para frente, um para trás. Como diria Che Guevara, há que flexibilizar, sem perder a dureza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.