Cuba ataca política "lambe-botas" da Argentina

Cuba, que havia criticado Buenos Aires por ter votado a favor de censurar a política da ilha sobre direitos humanos, atacou novamente nesta quarta-feira o que qualifica como política "lambe-botas" da Argentina em relação aos EUA. O chanceler argentino, Carlos Ruckauf, que visitou Washington esta semana, teria viajado para os EUA "para dobrar-se às exigências da administração norte-americana", denunciou o jornal oficial cubano Granma. Em troca de dinheiro, a Argentina oferece a Washington "o ataque abjeto e vergonhoso a Cuba", acrescentou o diário, em sua tradicional chamada de primeira página sobre o conteúdo do tradicional programa de debates vespertinos na televisão. Hoje à tarde o debate terá como tema "a crise argentina e a política ´lambe-botas´ da Chancelaria desse país", anunciou o jornal. O governo de Buenos Aires retirou seu embaixador de Havana no início do ano passado durante uma acirrada contenda provocada por declarações feitas pelo presidente Fidel Castro, nas quais ele afirmou que a Argentina era uma "lambe-botas dos ianques" por ter-se comprometido junto a Washington a votar contra Cuba na Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas, em troca de ajuda financeira para sua débil economia. Cuba foi de fato censurada em abril passado naquela comissão, e a Argentina foi um dos 22 países a favor da condenação. Nos últimos dias, o chanceler cubano, Felipe Pérez Roque, denunciou pressões dos EUA para obter um voto contra Cuba no próximo encontro da comissão da ONU em Genebra, Suíça, em abril. Em meio às críticas dirigidas aos governantes em Buenos Aires, Fidel Castro solidarizou-se ontem à noite com o povo argentino, dizendo esperar "que Deus os ajude". A declaração foi uma resposta à pergunta que lhe foi dirigida pela agência ANSA sobre a crise vivida pelo país sul-americano, logo após a inauguração da reunião de diálogo entre representantes do governo da Colômbia e do segundo maior grupo guerrilheiro daquele país, o Exército de Libertação Nacional (ELN).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.