Desmond Boylan / AP
Desmond Boylan / AP

Cuba autoriza investimentos de empresas na zona especial de Mariel

Espera-se que iniciativa leve à criação de 70 mil empregos

O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2015 | 21h16

HAVANA - Sete empresas receberam autorização para se instalar no Porto de Mariel e na zona industrial próxima, um sinal de que o projeto de maior envergadura econômica de Cuba pode finalmente começar. "Estamos no mês de julho e aprovamos no ritmo de quase uma empresa por mês", disse em entrevista à Associated Press Ana Teresa Igarza, diretora-geral do escritório da Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel.

 

No futuro, também poderão se estabelecer pela primeira vez em meio século as empresas dos Estados Unidos que já demonstraram interesse concreto em ir a Mariel, em meio à aproximação diplomática entre Washington e Havana. Localizado a 50 quilômetros de Havana, o porto de Mariel, com 17,9 metros de profundidade, substituirá o da capital, que não pôde ser ampliado, enquanto a zona de Mariel se converterá em polo de desenvolvimento.

Teresita Trujillo, especialista do escritório da Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel, espera que a iniciativa crie 70 mil empregos. Atualmente, há 328 trabalhadores próprios da área, com outros 4 mil trabalhando temporariamente na construção.

O porto foi inaugurado em janeiro de 2014, mas só no fim do ano passado foi aprovada a primeira empresa. Igarza disse que o ritmo está dentro do previsto inicialmente, "sem pressa, mas sem pausa". A frase é a mesma usada pelo presidente Raúl Castro para responder a críticas dos que pediam urgência nas reformas.

Segundo ela, não se trata de falta de interesse dos investimentos ou excesso de seletividade cubana. "Até agora, há mais de 400 empresas que contataram o escritório", afirmou. De acordo com a funcionária, os primeiros casos são os mais difíceis e posteriormente deve haver mais agilidade. Das 400 empresas, cerca de 25 já entregaram a documentação. / Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
CubainvestimentosMariel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.