Cuba denuncia "pressão" dos EUA em Genebra

O governo de Cuba denunciou, nesta sexta-feira, "novas e brutais pressões dos EUA" para impor um novo projeto de resolução contra a ilha, na próxima reunião da Comissão de Direitos Humanos da ONU, em Genebra. A Chancelaria cubana denunciou, por meio de comunicado, que os EUA fizeram circular em várias capitais do continente americano um memorando em que solicita a adoção de um novo projeto para condenar Cuba na 58ª sessão da Comissão de Direitos Humanos que será inaugurada em 18 de março. "O governo da República Checa, por sua vez, reiterando sua vocação de entrega e subordinação, enviou uma delegação em visita a vários países latino-americanos , implorando um compromisso de alguns países da região que lhe permita livrar-se do lamentável mandato anti-Cuba que lhe foi imposto pelos EUA", indica a nota oficial. A República Checa apresentou no ano passado uma resolução patrocinada por Washington que condenou Cuba por supostas violações aos direitos humanos. A Chancelaria cubana informou que três altos funcionários desse país visitaram México, Peru e Chile. "No entanto, são poucos até agora os resultados obtidos pelo Departamento de Estado. O presidente do México, Vicente Fox, deixou claro que seu país não patrocinará nenhuma medida desta natureza; o presidente do Chile, Ricardo Lagos, já desde o ano 2000 indicou sem ambigüidades, e o reiterou recentemente, que seu país também não se envolverá em uma nova ação anticubana", ressalta a Chancelaria. A nota acrescenta que "os governos do Brasil, da Venezuela e do Equador também não apoiaram nem apóiam a injusta manobra que se quer protagonizar uma vez mais em Genebra". Na segunda-feira passada o governo cubano já havia denunciado que os EUA estavam fazendo "pressões" junto à União Européia (UE) para obter uma quota de participação na comissão em Genebra. O propósito de Washington, segundo o governo cubano, é fazer com que os dois candidatos europeus a ocupar postos nessa comissão retirem suas candidaturas para deixar o "caminho aberto e favorável a uma candidatura dos EUA".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.