REUTERS/Guy Pool/Crown Copyright
REUTERS/Guy Pool/Crown Copyright

Cuba devolve aos EUA míssil recebido por equívoco em 2014

Equipamento ar-terra do tipo Hellfire havia chegado ao país em voo procedente de Paris; funcionários do governo americano confirmam recebimento do dispositivo

O Estado de S. Paulo

15 de fevereiro de 2016 | 15h15

HAVANA - Cuba devolveu aos Estados Unidos no fim de semana um míssil que foi recebido "por equívoco" em 2014, o qual retornou a território americano acompanhando por uma equipe de especialistas, informou em comunicado a Chancelaria cubana. A informação foi confirmada também por funcionários do governo americano.

"Cuba agiu com seriedade e transparência, e cooperou para encontrar uma solução satisfatória a este fato", indica o texto, que explica que o míssil, "com orientação por laser AGM 114 Hellfire", chegou ao país em junho de 2014 em um voo procedente de Paris "por equívoco ou mau uso no país de procedência".

A declaração afirma que, uma vez que o governo americano comunicou oficialmente a Havana seu interesse em recuperar o míssil, "Cuba transmitiu a decisão de entregá-lo e se iniciaram as gestões entre ambas as partes para proceder a sua devolução", que culminaram com o retorno do míssil aos EUA.

"Para as autoridades cubanas foi preocupante a chegada ao país de um meio militar de fabricação americana que não tinha sido declarado como tal na declaração de carga da aeronave que o transportou", destaca a nota da Chancelaria cubana.

Cuba insiste que o míssil, da empresa Lockheed Martin, "foi devidamente conservado e monitorado" até a chegada de "uma equipe de especialistas do governo americano e da mencionada companhia que viajou para Cuba para analisar o estado da carga".

Os mísseis "Hellfire" são disparados de aviões de combate ou helicópteros e, embora tenham sido projetados como armas antitanque, se modernizaram e foram utilizados de drones para atacar alvos de grupos terroristas no Iêmen e no Paquistão. / EFE e REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
CubaEstados UnidosParis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.