Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Cuba dificulta reeleição de Ban Ki-moon na ONU, dizem diplomatas

Conselho de Segurança adiou votação para recomendar que Ban Ki-moon tenha um segundo mandato

Reuters,

16 de junho de 2011 | 14h53

NOVA YORK - O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) adiou nesta quinta-feira, 16, a votação para recomendar que Ban Ki-moon fique um segundo mandato como secretário-geral da ONU, depois que Cuba impediu que o grupo da América Latina e do Caribe endossasse o nome dele, afirmaram enviados.

"Cuba está causando dificuldades com o Grupo de Países Latino-Americanos e do Caribe (Grulac), mas isso é apenas procedimental", disse um diplomata ocidental à Reuters sob a condição de anonimato.

"Ban vai vencer, mas não está claro se o Grulac como bloco irá endossá-lo", acrescentou o diplomata.

Os diplomatas afirmaram que a votação do conselho para decidir se recomenda que o ex-chanceler sul-coreano tenha um segundo mandato de cinco anos como secretário-geral da ONU começando em janeiro de 2012 foi adiada por um dia e ocorrerá na sexta-feira, 17, ao meio-dia (horário de Brasília).

Eles disseram que haverá uma reunião do Grulac nas Nações Unidas antes da reunião do conselho de sexta-feira durante a qual outros membros tentarão convencer Cuba a se unir a todos os outros grupos regionais para endossar a candidatura de Ban à reeleição.

Se o Grulac não conseguir apoiar Ban, que até agora é o único candidato ao posto, isso não terá impacto no processo de votação. Mas poderá ser constrangedor para o chefe da ONU, que, segundo diplomatas, gostaria de ter o apoio oficial de todos os 192 Estados-membros e de todos os grupos regionais.

Oficialmente, os chefes da ONU são eleitos pela Assembleia Geral sob a recomendação do Conselho de Segurança. Na verdade, são os cinco membros permanentes do conselho - Grã-Bretanha, China, França, Rússia e Estados Unidos - que decidem quem fica com o cargo. Todos os cinco membros permanentes do conselho disseram que apoiam a reeleição de Ban.

Acredita-se que a Assembleia Geral aprove formalmente o segundo mandato de Ban na próxima terça-feira. Cuba, o único país a indicar que pode ter problemas com a ideia de reeleger Ban, não pode evitar que ele obtenha um novo mandato.

Atualmente Ban está em viagem à América Latina, onde tem se encontrado com líderes regionais. Nesta quinta-feira, ele chegou ao Brasil. Ban não visitará Cuba.

Não estava clara qual a razão pela qual Cuba decidiu bloquear o consenso necessário no bloco Grulac, mas diplomatas ocidentais afirmam que Havana vê o secretário-geral da ONU sob a influência dos Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUBANKIMOONCUBA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.