Cuba diminui restrições a mão de obra privada

O governo socialista cubano está expandindo o escopo do emprego privado no país, no momento em que anuncia um esforço para cortar meio milhão de funcionários públicos. Um importante novo elemento da economia da ilha é que os donos de negócios privados em algumas categorias poderão, pela primeira vez, contratar pessoas que não são seus parentes.

AE-AP, Agência Estado

24 de setembro de 2010 | 11h53

No passado, as autoridades cubanas diziam que os empregos privados de pessoas eram uma forma de exploração. O jornal do Partido Comunista, Granma, traz na edição desta sexta-feira uma lista de sete funções que poderão ser exercidas por funcionários privados. Elas incluem contador, atendentes em parques e banheiros públicos, vendedores de beira de estrada, bem como alguns tipos de professores e agricultores.

Tudo o que sabemos sobre:
Cubaeconomiaempregomão de obra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.