Adalberto Roque/AFP
Adalberto Roque/AFP

Cuba diz que expulsão de diplomatas foi 'infundada' e 'inaceitável'

Decisão ocorre dias após 60 funcionários da Embaixada dos EUA em Havana deixarem o país por ordem do governo norte-americano

O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2017 | 18h07

HAVANA - Cuba considerou nesta terça-feira, 3, como infundada e inaceitável a decisão do governo dos Estados Unidos de expulsar 15 diplomatas cubanos de Washington como uma medida de reciprocidade para a drástica redução de seu pessoal na Embaixada em Havana após os supostos ataques sônicos contra norte-americanos

+ Cuba e o enigma dos ‘ataques acústicos’ contra diplomatas americanos

"O Ministério de Relações Exteriores do Cuba protesta energicamente e denuncia essa decisão infundada e inaceitável, bem como o pretexto utilizado para justificá-la, por afirmar que o governo de Cuba não adotou todas as medidas adequadas para prevenir os ataques", afirmou o chanceler cubano, Bruno Rodríguez.

EUA retiram da Embaixada em Cuba cerca de 60 de sua equipe por ataques a diplomatas

Segundo o chanceler, a medida anunciada pelo Departamento de Estado dos EUA de expulsar diplomatas cubanos de Washington, sem resultados conclusivos ou provas sobre os supostos ataques sônicos, acaba tendo "caráter eminentemente político". "O Departamento de Estado tem vazado informações mal-intencionadas com motivos políticos", destacou Rodríguez.

+ Cuba investiga incidentes com diplomatas na Embaixada americana em Havana

O ministro de Relações Exteriores pediu que as autoridades americanas não "continuem politizando esse assunto". Essa atitude poderia promover uma "escalada indesejada" de tensões e provocar um retrocesso nas relações bilaterais, já afetadas por recentes anúncios de Donald Trump sobre uma nova política para Havana. 

Rodríguez destacou que, desde que foram divulgadas notícias desses incidentes, Cuba atuou iniciou uma "investigação cansativa e prioritária por indicação do mais alto nível do governo".  "Os dados enviados posteriormente continuaram carecendo de descrições ou detalhes que facilitassem a caracterização dos fatos ou a identificação de possíveis autores", indicou o chanceler.

Rodríguez revelou nesta terça que Cuba permitiu que diferentes representantes de agências especializadas dos EUA viajassem a Havana em três ocasiões - junho, agosto e setembro - para trabalhar no país pela primeira vez em 50 anos.

"Foram dadas todas as facilidades, incluindo a possibilidade de importar equipamentos, como mostra de boa vontade e do grande interesse do governo cubano de concluir a investigação", destacou. Segundo resultados preliminares dessa investigação conduzida por especialistas americanos, não existem evidências da ocorrência dos "alegados incidentes", nem das causas e da origem dos sintomas apresentados pelos diplomatas dos EUA. 

O chefe da diplomacia de Cuba também afirmou que a proteção dos funcionários americanos, seus familiares e dos locais onde eles viviam no país foram reforçadas depois dos incidentes. Apesar da tensão, Rodríguez reiterou a disposição de Cuba para uma "cooperação séria e objetiva", com a qual as autoridades cubanas e americanas possam "esclarecer os fatos". "Para isso, será essencial a colaboração mais eficiente das agências competentes dos EUA", afirmou. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.