Cuba elogia derrota dos EUA na ONU

O governo cubano qualificou hoje como uma derrota da "democracia de canhoneira" a exclusão dos EUA da Comissão dos Direitos Humanos da ONU, em votação secreta realizada ontem em Genebra. A votação, escreve hoje o jornal Granma em sua primeirapágina, é a "expressão da rejeição da comunidade internacionalaos métodos coercitivos empregados pelos EUA nos organismosinternacionais e em dupla medida na Comissão de Genebra". O diário acrescenta que os EUA sofreram a "arrasadoraderrota" e "assistiram atônitos" à perda de seu lugar nacomissão, pela primeira vez desde que ela foi criada em 1947 epassou a constituir a máxima instância de direitos humanos dasNações Unidas. O resultado é "um novo golpe nas aspirações hegemônicasdos EUA e a seu propósito de utilizar o tema dos direitoshumanos em sua cruzada anticubana e contra os povos pobres doTerceiro Mundo", acrescenta o jornal oficial do PartidoComunista de Cuba. Em uma eleição secreta dos 53 membros da Comissão, osEUA obtiveram ontem apenas 29 votos - menos do que os outrostrês candidatos - na escolha para ocupar um assento entre osmembros do grupo com direito a voto. A decisão deixa Washingtonpelo menos por um ano sem poder votar resoluções na Comissão,com sede em Genebra. Para os EUA, diz ainda o diário, "é uma nova lição deque o mundo está mudando". Ao mesmo tempo, Cuba, reeleita no ano passado comomembro da comissão, "continuará defendendo em Genebra o direitodos povos a uma vida digna com justiça e paz, e continuaráenfrentando as sucessivas manobras americanas", acrescenta oGranma.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.