Marcelino Vázquez/EFE
Marcelino Vázquez/EFE

Cuba identifica 50 dos 111 mortos em acidente aéreo, incluindo o piloto

Duas sobreviventes seguem internadas em estado crítico extremo, com risco de complicações; operações da companhia aérea foram paralisadas para revisão de medidas de segurança

O Estado de S.Paulo

22 Maio 2018 | 17h08

HAVANA - O diretor do Instituto Médico Legal de Cuba, Sergio Rabell, disse que 50 dos 111 mortos no acidente da última semana foram identificados até esta terça-feira, 22. Dentre eles, estão o piloto, o copiloto e outros membros da tripulação mexicana.

Rabell listou os nomes dos mexicanos que estava a bordo do voo, no Boeing 737. Eles são Ángel Luis Nuez Santos, de 53 anos e piloto do avião, Miguel Ángel Arreola Ramírez, de 40, copiloto, Marco Antonio López Pérez, de 30, comissário, e Guadalupe Beatriz Límon García ,de 25, comissária. Duas comissárias ainda não foram identificadas.

+ Morre uma das três sobreviventes de acidente aéreo em Cuba

O diretor explicou que, no caso do piloto e do copiloto, foram feitos uma necropsia e outros exames exigidos pelo protocolo de aviação e "os resultados já estão nas mãos dos peritos".

Ainda falta reconhecer os corpos de outros quatro estrangeiros: um casal de argentinos, uma turista mexicana e um dos dois saarauís que viajavam na aeronave acidentada - o outro já foi identificado -, assim como os de 50 cubanos.

+ Caixa-preta de avião que caiu em Cuba é recuperada 'em boas condições', diz ministro

O embaixador do México em Cuba, Enrique Martínez y Martínez, explicou à imprensa que os corpos de seus compatriotas serão entregues "o mais rápido possível" aos seus parentes, que estão na ilha desde sábado. 

"O mais importante para nós é que a família que ficou no México - seus filhos, seus irmãos, seus pais - esteja com seus entes queridos lá, e que possam dar a cristã sepultura o mais rápido possível", declarou Martínez.

O diplomata confirmou que "técnicos e investigadores" de seu país participam da investigação que Cuba realiza para esclarecer as causas do desastre.

+ Embargo dos Estados Unidos a Cuba impede renovação de frota de aviões

A aeronave, fabricada em 1979, era usada pela estatal Cubana de Aviación e pertencia à empresa mexicana Damojh (Global Air). As autoridades aeronáuticas mexicanas suspenderam temporariamente as operações da companhia para revisar as medidas de segurança de suas naves.

Enquanto isso, duas das três cubanas que a princípio sobreviveram ao acidente - a terceira morreu na segunda-feira - continuam lutando pela vida em um hospital de Havana, reportadas em "estado crítico extremo, com alto risco de complicações". / APF

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.