Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Alejandro Ernesto/EFE
Alejandro Ernesto/EFE

Cuba pede petróleo à Rússia por problemas de fornecimento da Venezuela

Cuba teve de restringir o uso de fontes energéticas por estar enfrentando dificuldades para receber combustível venezuelano

O Estado de S. Paulo

05 de setembro de 2016 | 16h11

HAVANA - O presidente de Cuba, Raúl Castro, entrou em contato com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, para pedir o fornecimento estável de petróleo e derivados em virtude dos problemas atravessados pela Venezuela, tradicional parceiro do país neste assunto, disseram fontes do setor nesta segunda-feira, 5.

Cuba teve de restringir o uso de fontes energéticas por estar enfrentando dificuldades para receber o petróleo da Venezuela, que passa por graves problemas de produção tanto pela situação econômica do país como pelos baixos preços do produto no mercado.

Segundo uma fonte próxima ao governo cubano, o país se viu obrigado a buscar novos parceiros no mercado internacional e optou pela Rússia para pedir condições favoráveis em preços e financiamento.

A carta não especifica os volumes que Cuba precisa, nem as condições desejadas por Raúl, mas garante que o governo do país cumprirá estritamente as obrigações de pagamento se houver acordo.

O Ministério de Economia da Rússia, em documento enviado ao Ministério da Energia, alertou que a capacidade de pagamento de Cuba é um risco importante. No entanto, sugeriu envolver no fornecimento as companhias russas que têm projetos de investimento no país, como é o caso da estatal Rosneft.

Até agora, o fornecimento de petróleo russo a Cuba é baixo e não tem um caráter estável. No primeiro semestre de 2016, Moscou exportou à ilha apenas US$ 250 mil do produto. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.