Franklin Reyes/AP
Franklin Reyes/AP

Cuba proíbe cinemas 3D privados e venda de artigos importados

Conselho de Ministros afirmou que esse tipo de cinema 'nunca foi autorizado'

O Estado de S. Paulo,

02 de novembro de 2013 | 20h24

HAVANA - O governo de Cuba ordenou neste sábado, 2, o fechamento de todas as salas de cinema 3D particulares que se espalharam pela ilha durante esse ano. Também foi proibido o comércio autônomo de roupas e outros artigos importados.

Em uma resolução divulgada hoje, o Conselho de Ministros da ilha afirmou que os cinemas 3D e as salas de jogos computadorizados "nunca foram autorizados". Para o órgão, a comercialização no varejo de artigos importados também é ilegal.

Nos últimos anos, depois que o governo de Raúl Castro ampliou o trabalho privado, em 2008, os cinemas 3D e a venda de roupa, sapatos e acessórios importados proliferaram com sucesso apesar de não existir licenças específicas para essas atividades.

A nota do conselho ordena que a "exibição cinematográfica (incluindo as salas de 3D) e os jogos computacionais sejam interrompidos imediatamente de qualquer atividade por conta própria".

"Essas medidas são correções necessárias para prosseguir organizando essa forma de gestão, combater a impunidade, exigir o cumprimento da legalidade e proteger os trabalhadores por conta própria que, em sua imensa maioria, cumprem as regulações estabelecidas", apontou o texto.

A resolução explico que "não se trata de dar um passo atrás, mas ao contrário, seguiremos avançando decididamente na atualização do modelo econômico cubano" / EFE

Mais conteúdo sobre:
Cubacinema 3D3Dimportados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.