Cuba publica fotos de Fidel, que critica boatos

Ex-presidente cubano redige texto no qual qualifica autores de rumores sobre sua saúde de 'aves de mau agouro'; líder não era visto desde março

HAVANA, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2012 | 03h01

O ex-presidente cubano Fidel Castro ironizou ontem os rumores de que estaria à beira da morte publicando um texto na mídia estatal. "Aves de mau agouro! Não me lembro sequer o que é uma dor de cabeça. Para constar o quanto são mentirosos (os que espalharam os boatos), quero lhes oferecer as fotos que acompanham esse artigo."

As imagens, creditadas a seu filho Alex, mostram o líder revolucionário em um campo, apoiado numa bengala metálica e mexendo em plantas. Em uma das fotos, Fidel segura uma edição do jornal Granma, órgão oficial do Partido Comunista Cubano, da sexta-feira.

Naquele mesmo dia, em meio a rumores que já tinham sido desmentidos, o jornal conservador espanhol ABC publicara uma reportagem na qual o médico venezuelano José Marquina - que já deu diversas declarações falsas sobre o tema - afirmava que Fidel estaria "moribundo" em razão de uma "embolia na artéria cerebral direita".

As Reflexões do ex-presidente, textos que costumam ser veiculados pelos meios de comunicação cubanos de tempos em tempos, não eram publicadas desde 19 de junho - e a última aparição pública do líder havia ocorrido em 28 de março, durante a visita do papa Bento XVI a Cuba, quando Fidel encontrou-se com o pontífice em Havana.

"Deixei de publicar (as) Reflexões porque certamente não é meu papel ocupar as páginas da nossa imprensa, consagradas a outras importantes tarefas que o país requer."

O texto publicado ontem começa a ironizar os rumores sobre a saúde do líder já no título: "Fidel Castro está agonizando".

No artigo, o ex-presidente sugere que continua ativo. "Gosto de escrever e escrevo; gosto de estudar e estudo. Há muitas tarefas na área dos conhecimentos. Nunca as ciências, por exemplo, avançaram a tão assombrosa velocidade."

"Ainda que muitas pessoas no mundo sejam enganadas pelos órgãos de informação, quase todos em mãos dos privilegiados e ricos, que publicam essas estupidezes, os povos cada vez menos creem nelas. Ninguém gosta de ser enganado; até o mais incorrigível mentiroso espera que lhe digam a verdade."

Fidel afirmou que, em 1961, notícias sobre a invasão da Baía dos Porcos afirmavam que "os invasores mercenários" estavam próximos a Havana, "quando em realidade alguns deles tratavam infrutuosamente de chegar em botes aos navios de guerra ianques que os escoltavam."

No domingo, o ex-vice-presidente venezuelano Elías Jaua havia começado a desmentir a onda de rumores sobre a saúde de Fidel, com o relato de que havia se encontrado com o cubano no dia anterior e mostrando uma foto da reunião. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.