Alexandre Meneghini/REUTERS
Alexandre Meneghini/REUTERS

Cuba busca saídas econômicas para driblar embargo americano e crise no turismo

País realizou mudanças econômicas ao longo dos anos, mas ainda não conseguiu uma estrutura que permitisse a independência da ajuda de outros países

Fernanda Simas, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2021 | 20h00

HAVANA - A queda de quase 90% no número de turistas em Cuba nos primeiros cinco meses de 2021, em comparação ao mesmo período do ano passado, evidenciou a crise econômica vivida na ilha. O aumento do preço dos produtos, com uma inflação em alta de cerca de 500%, e a dificuldade em obter alimentos são provas de que Havana ainda tem uma economia muito dependente de importações e dificultada pelo embargo americano, que dura quase 60 anos. A insatisfação popular com a crise ficou evidente e levou aos protestos de domingo em diferentes cidades da ilha.

Com medidas excepcionais e programas, como o Plano de Soberania Alimentar e Educação Nutricional, conhecido como Plano PAN e em início de implementação, o governo tenta criar políticas públicas que diminuam a dependência das importações e melhorem a produção nacional para ter a economia menos impactada pelo embargo e, atualmente, a pandemia da covid-19.

“É uma estratégia limitada porque continua tendo o problema estrutural. Tem o embargo que prejudica muito no desenvolvimento de produção, pela falta de maquinário e peças, por exemplo, mas tem também a burocracia que ainda é grande. As decisões são lentas, então não se consegue ter um planejamento bem feito”, explica o coordenador de Relações Internacionais da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (Fesp-SP), Moisés Marques. 

Cuba realizou mudanças econômicas ao longo dos anos, mas ainda não conseguiu uma estrutura que permitisse a independência da ajuda de outros países. Até os anos 90, o país tinha como principal fonte de entrada de renda a exportação de açúcar, tabaco e rum. A União Soviética comprava a maior parte dessa produção e isso permitia ao país caribenho ter até um orçamento pré-determinado.

“Com a queda da URSS, Cuba passa a tentar outras alternativas. A ilha tem até minérios interessantes, como níquel, cobalto, mas sem uma boa indústria extrativista. Nesse caso, o embargo econômico cria problemas sérios porque eles não conseguem importar maquinário”, explica Marques. 

O maior impacto do embargo americano e das restrições impostas pelos Estados Unidos é ao sistema financeiro da ilha. “Isso ocorre porque as instituições financeiras e as empresas com operações ligadas aos EUA são cuidadosas para não chamar a atenção Departamento do Tesouro e do Departamento de Estado. Alguns bancos foram multados em bilhões de dólares por se envolverem em transações relacionadas a Cuba”, diz o presidente do Conselho Econômico e Comercial EUA-Cuba, John Kavulich.

Turismo como nova esperança

Após os anos 90, com a dívida externa alta e os problemas econômicos internos, Cuba faz acordos com empresas internacionais, principalmente europeias, para desenvolver o turismo. Redes hoteleiras passam a explorar pontos turísticos e uma porcentagem do dinheiro ficava com o Estado, que também fornecia a mão de obra. 

Marques explica que nesse momento cria-se a indústria do turismo em Cuba e, a partir de então, essa se torna a principal entrada de dinheiro no país. “Junto vem a criação de uma moeda paralela, o CUCl, que criou também uma economia paralela. Se você fosse turista ou tivesse acesso ao CUC, tinha chances de acesso a mais coisas, por exemplo. E começam a ser permitidos os primeiros pequenos negócios na ilha, como os paladares (restaurantes em casa) e as pessoas ficavam com parte da renda”.

Foi justamente o turismo que mais foi afetado com a chegada da pandemia em Cuba. Com o fechamento das fronteiras, o turismo que era responsável por levar cerca de US$ 3 bilhões ao ano à ilha passou a levar apenas US$ 1 bilhão. “A pandemia de covid-19 foi devastadora para a economia cubana. Além dos turistas, impediu a entrada de descendentes de cubanos que vão sempre visitar a família e amigos. E isso cortou ferozmente a entrada de produtos e moeda”, afirma Kavulich.

Atualmente, para visitar Cuba é preciso reservar uma estadia em um hotel escolhido pelo governo para cumprir quarentena antes de sair e fazer turismo. Em 2020, o PIB do país caiu 11% em razão da pandemia, segundo dados oficiais, e no primeiro trimestre deste ano teve nova queda de 2%.

Nesta semana, após os protestos no país, o governo cubano permitiu, de forma excepcional e até o fim do ano, a entrada de alimentos e remédios na ilha sem pagamento de impostos. Esses itens geralmente são levados por cubanos ou descendentes que vão visitar amigos e parentes.

Outra frente prejudicada

Outra forma de o governo cubano conseguir arrecadar é com a exportação de mão de obra qualificada. Com um sistema que fornece educação de qualidade a todos os cidadãos, a maioria dos cubanos tem diploma universitário e fala mais de um idioma. Com isso, médicos e professores eram muito requisitados para atuar em outros países.

Na Venezuela, por exemplo, um dos grandes parceiros de Cuba, as missões alfabetizadoras usavam professores cubanos acostumados com as técnicas de alfabetização. No Brasil, o programa Mais Médicos chegou a trazer muitos cubanos para atuar no País.

Mas a mudança de governos em países como Brasil, Bolívia e Equador, além da crise econômica e política que a Venezuela atravessa, diminuíram a demanda por esses profissionais. “A discussão do fato de o governo cubano ficar com parte do que esses profissionais recebiam e as mudanças ideológicas nos comandos dos países fez isso diminuir. Agora, você tem em Cuba uma população jovem altamente qualificada e sem perspectivas de futuro, isso é muito complicado”, explica Marques. 

O cubano Rafael Antonio Moreno é engenheiro eletrônico e conta ao Estadão que quer ver mudanças nas lideranças do país. “Há um descontentamento geral, as pessoas estão morrendo e passando dificuldades muito sérias. E o principal problema é que não há futuro aqui. Os dias passam, os meses, e tudo piora.”

Em meio à pandemia, e com menos entrada de turistas, Havana implementa a unificação das moedas, mas economistas explicam que esse não era o momento adequado para a mudança. Para Kavulich, a decisão levaria ao sofrimento dos cidadãos de qualquer maneira porque o país não tem a estrutura necessária. “Seria necessário uma Cuba onde os cofres do Banco Central estivessem cheios de moedas estrangeiras, onde a economia estivesse crescendo, onde o desemprego estivesse baixo e o subemprego também.”

Para Moisés, a existência do CUC permitia aos jovens cubanos o acesso a itens de consumo que eles se deparam nas redes sociais, por exemplo, como um boné da NBA ou uma camiseta de determinado jogador de basquete. Ao unificar as moedas, Havana criou mais um elemento de descontentamento. “Se reduziu a chance de quem estava tendo mais acesso a esses itens por meio do CUC, mas não se melhorou a chance de quem não tinha acesso. Isso deixou a população mais irritada.”

E essa irritação foi demonstrada nas ruas. “Se as pessoas são obstinadas e muitos morreram por mar para chegar aos EUA, com certeza vão morrer por Cuba também”, diz Rafael Moreno. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.