Cuba vai enviar médicos para tratar ebola em Serra Leoa

Cuba vai enviar médicos para tratar ebola em Serra Leoa

Segundo o ministro da Saúde, o país latino-americano ajudará com 160 profissionais da saúde em solo africano

Estadão Conteúdo

12 de setembro de 2014 | 12h20

O ministro da Saúde cubano, Roberto Morales Ojeda, informou nesta sexta-feira que o país vai enviar mais de 160 profissionais de saúde para ajudar a conter o surto de ebola em Serra Leoa, fornecendo uma ajuda no país onde os profissionais de saúde são limitados. Cuba vai enviar médicos, enfermeiros e outros especialistas experientes para Serra Leoa no início de outubro. Eles ficarão lá por seis meses.

A chefe a Organização Mundial da Saúde, Margaret Chan, afirmou que a agência está extremamente grata pela ajuda. "Se vamos à luta contra o ebola, precisamos de recursos para lutar", disse. "Isso fará uma diferença significativa em Serra Leoa."

Enquanto milhões de dólares foram gastos e países, incluindo o Reino Unido e os EUA, se dispuseram a construir centros de tratamento, Chan disse que "recursos humanos são o mais importante", evidenciando uma crucial necessidade por médicos experientes e enfermeiros na região.

"Não há uma única maca disponível para um paciente de ebola em toda a Libéria", afirmou Chan, acrescentando que são esperados outros 1.500 profissionais de saúde no Oeste da África. O ministro da saúde cubano convocou a ajuda de outros países.

A epidemia de ebola matou mais de 2.200 pessoas no oeste africano até o momento. É o maior surto do vírus letal, cuja taxa de mortalidade até agora é de 50%. Médicos e enfermeiros são as pessoas com maior risco de se infectarem com doença, transmitida pela troca de fluidos corporais. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Serra LeoaCubaebola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.