Cubanos comemoram aniversário das FAR

Em uma emocionada evocação do início de sua luta revolucionária, o presidente Fidel Castro assistiu neste domingo a um desfile militar mostrando o que ele chama de suas melhores armas: homens, mulheres e crianças cubanos. Em comemoração ao 45º aniversário das Forças Armadas Revolucionárias (FAR), Fidel, firme e fazendo continência, presenciou a marcha de mais de 6.000 homens e mulheres da escola de cadetes, de unidades de tanques e tropas especiais do ministério do Interior, todos portando fuzis AK-47, além das unidades de reservistas, milicianos e estudantes. A parada militar, à qual também esteve presente seu irmão mais novo e ministro da Defesa, Raúl Castro, foi diferente das que exibiam o poderio de fogo soviético durante anos da Guerra Fria. Mostrou modestamente, nesta manhã, três helicópteros MI-35 e o vôo fugaz de três aviões MIG-21 no final do desfile - o primeiro que se realiza na ilha desde 1996. "A experiência vivida nos ensina que, se um dia nosso país fosse agredido e inclusive ocupado por forças poderosas, cada homem e cada mulher, onde quer quer que se encontre, poderá ser um exército", disse o dirigente, em um discurso de 40 minutos, antes do início do desfile.Em uma passagem, o líder cubano destacou que "as tecnologias mais sofisticadas... não podem nem poderão vencer jamais a consciência e a inteligência dos seres humanos". Em meio à crise mundial provocada pelos atentados de 11 de setembro nos EUA, Fidel assegurou que "só a paz e a cooperação entre os povos serão capazes de preservar a humanidade", e acrescentou que Cuba "ainda está por decidir seu futuro, hoje vinculado ao destino do mundo". O aniversário das FAR é celebrado em 2 de dezembro, por ser a data em que os irmãos Castro e outros 80 rebeldes chegaram a bordo do "Granma" à costa oeste de Cuba, vindos do México, onde haviam treinado durante um ano para combater a ditadura de Fulgencio Batista.O desembarque naquela manhã de 1956 foi desastroso, com a maioria dos rebeldes sendo mortos ou capturados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.