Cubanos são convocados para "dia da rebelião nacional"

A população cubana foi convocada pelas autoridades da ilha a participar, amanhã, das celebrações do 50º aniversário do início da luta revolucionária encabeçada pelo presidente Fidel Castro. O 26 de julho, conhecido na ilha como "o dia da rebelião nacional", e que a cada ano é comemorado em uma localidade diferente, será celebrado desta vez na província de Santiago de Cuba, no leste do país. "O ato central pelo 50º aniversário dos assaltos aos quartéis Moncada e Carlos Manuel de Céspedes será realizado na Cidade Herói de Santiago de Cuba", anunciou hoje uma breve nota publicada pelo jornal oficial Granma. O comunicado informa que estarão presentes "combatentes da ação heróica de 26 de julho de 1953", assim como convidados nacionais e estrangeiros. Geralmente, as comemorações do 26 de julho são lideradas pelo presidente Fidel e seu irmão, o general Raúl Castro, ministro de Defesa da ilha. A data recorda os ataques simultâneos aos quartéis militares Moncada, em Santiago de Cuba, e Carlos Manuel de Céspedes, na província vizinha de Bayamo. As ações foram lideradas por Fidel e Raúl Castro e contaram com a participação de 160 jovens. Nos ataques, que fracassaram, morreram 61 rebeldes. Esta foi a primeira ação armada empreendida pelos irmãos Castro contra a ditadura de Fulgêncio Batista e marcou o início da Revolução Cubana, vitoriosa em janeiro de 1959.

Agencia Estado,

25 Julho 2003 | 18h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.