Cubanos tentam chegar aos EUA de caminhão

Na tentativa de fugir de Cuba para os Estados Unidos, lançando-se ao mar, os cubanos já improvisaram até colchões como barcos. Nunca, porém, usaram um velho caminhão. Pois foi o que fez um grupo de 11 deles ao transformar um Chevrolet 1951 num barco a motor. Por azar (ou sorte) todos foram capturados, ainda no mar, pela guarda costeira americana, e repatriados. A aventura dos 11 imigrantes cubanos (oito homens, duas mulheres e um menino) começou no último dia 15, quando resolveram lançar ao mar o caminhão - remanescente do tempo em que a ilha não sofria o embargo comercial americano, iniciado em 1961. Antes, porém, fizeram algumas adaptações, para transformá-lo em barco. A flutuação do veículo foi garantida pela colocação de barris vazios e enfileirados em suas laterais. Para fazer o engenho navegar, uma hélice foi unida à barra de transmissão do caminhão, o que lhe permitiu atingir velocidade de 12 km/h. No dia 16, o grupo colocou o Chevrolet verde na água e subiu a bordo. Alguns ocuparam a carroceria, que foi coberta com uma lona amarela. Outros, preferiram viajar na "proa", enquanto o "comandante" ocupou a cabine, ao lado de seus "imediato." Mas a aventura durou pouco. Quando o camihão navegava pelo estreito da Flórida, cerca de 60 km ao sul de Key West, foi avistado por um avião da guarda costeira dos EUA. "Naquela hora, não pudemos acreditar no que vimos", afirmou o oficial da Marinha Ryan Doss. Retirados do veículo, o grupo foi detido e levado para a Flórida da onde, no domingo, foi extraditado. As chamada "lei dos pés secos" permite a permanência nos Estados Unidos dos cubanos que chegam à praia. Já os que são capturados ainda no mar têm de voltar para Cuba.

Agencia Estado,

24 Julho 2003 | 19h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.