Koen van Weel / ANP / AFP
Koen van Weel / ANP / AFP

Culto de 96 dias na Holanda impede deportação de família armênia

Família deixou a Armênia em 2010 após receber ameaças de morte pelo seu ativismo político e mora na Holanda desde então

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2019 | 20h32

HAIA - Depois de 96 dias ininterruptos de culto, a igreja protestante de Bethel, na cidade holandesa de Haia, encerrou uma cerimônia que tinha como objetivo proteger uma família de armênios da deportação, já que uma lei impede a entrada da polícia em templos durante serviços religiosos.       

A vigília começara em 26 de outubro e terminou na quarta-feira, 30, após decisão do governo de manter os Tamrazyan no país. A medida é fruto de um acordo entre os partidos que formam a base aliada, que também reavaliará os casos de 700 famílias.       

O governo anunciou, por outro lado, que quer estreitar as leis de refúgio. "Nós estamos muito gratos por garantir um futuro seguro para centenas de famílias de refugiados na Holanda", declarou o presidente da igreja, Theo Hettema. "Por meses mantivemos a esperança, e agora essa esperança está tomando forma." 

Para dar continuidade ao culto durante 96 dias, foi feito um rodízio de fiéis e pastores na igreja. A família Tamrazyan deixou a Armênia em 2010, após receber ameaças de morte pelo seu ativismo político, e mora na Holanda desde então./ Ansa 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.