Cúpula árabe discutirá Iraque em 1º de março

Líderes árabes irão promover uma reunião de cúpula em 1º de março no Cairo, abrindo caminho para o que provavelmente será uma acalorada conferência sobre o que fazer em relação ao Iraque. A Liga Árabe, baseada no Cairo, cena, nos últimos dias, de tensas discussões entre diplomatas árabes sobre o Iraque, anunciou a data e o local da cúpula num breve comunicado: "O secretariado da Liga Árabe declara que sua 15ª edição regular da cúpula árabe será realizada em 1º de março, sob a presidência do reinado de Barein, no Cairo, sede da Liga Árabe".O anúncio equivale a uma solução de compromisso, depois que o presidente egípcio, Hosni Mubarak, enfrentou oposição ao pedido de uma cúpula de emergência sobre o Iraque antes do fim de fevereiro. Outros líderes árabes questionaram se um encontro de emergência seria necessário, uma vez que já estava programada uma cúpula regular anual para o final de março - com uma agenda mais ampla do que apenas o Iraque - e quando os países estão tão divididos sobre a questão iraquiana.O xeque Hamad bin Isa Al Khalifa, de Barein, onde deveria ser realizado o encontro anual, e Mubarak conversaram por telefone na quarta-feira e concordaram em adiantar a cúpula e levá-la para a sede da Liga Árabe, disseram autoridades do Barein.A disputa sobre logística acompanhou uma discussão mais profunda sobre se os árabes devem se unir em torno do Iraque, acusado pelos EUA e Grã-Bretanha de esconder armas de destruição em massa, ou pressionar Bagdá a fazer mais para acalmar a crise.Países árabes temem que uma guerra possa desestabilizar ainda mais a região. Uma cúpula seria uma forma de mostrar aos cidadãos árabes, entre os quais o sentimento antiguerra é profundo, que seus líderes estão fazendo de tudo para evitar um confronto.Na terça-feira, o ministro do Exterior da Arábia Saudita, príncipe Saud al-Faisal, considerou que uma cúpula de emergência sobre o Iraque era desnecessária e poderia fazer piorar a crise iraquiana, caso os líderes não conseguissem chegar a um acordo. Um dia depois, o secretário-geral da Liga Árabe, Amr Moussa, disse que os Estados árabes estavam promovendo consultas sobre a realização de uma única cúpula, ao invés de um encontro de emergência seguido pela cúpula regular.Não importando o caráter da cúpula, o foco será o Iraque, explicou Moussa. "Queremos uma declaração que proteja os interesses árabes". Um encontro, neste fim de semana, de chanceleres da liga, que discutiu o pedido de Mubarak de uma cúpula emergencial não conseguiu chegar a uma acordo sobre data nem agenda.O encontro terminou no domingo com uma resolução final, proposta pela Síria, que a liga declarou havia sido adotada por consenso - mas que recebeu prontamente uma reclamação formal do Kuwait.O Kuwait afirmou que uma cláusula exortando os países árabes a "absterem-se de oferecer qualquer assistência ou instalação para qualquer operação militar que possa ameaçar a segurança e integridade territorial do Iraque" não havia levado em consideração as preocupações de segurança do emirado do Golfo Pérsico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.