Cúpula Ibero-Americana vai repetir apoio a Malvinas argentinas

Os países participantes da 17a CúpulaIbero-Americana apoiarão, como em ocasiões anteriores, areivindicação argentina sobre as ilhas Malvinas, motivo de umaguerra contra a Grã-Bretanha há 25 anos, disseram fontes dachancelaria chilena. O documento, a ser aprovado pelos chefes de governo, surgeem um momento em que a Grã-Bretanha provocou alerta em BuenosAires e Santiago ao anunciar que pretende reivindicar umaampliação de seu território antártico. Segundo o vice-chanceler chileno, Alberto van Klaveren, há"um ânimo positivo de apoio à soberania argentina sobre asMalvinas, há um ambiente favorável nesse sentido". A Grã-Bretanha venceu em 1982 a guerra iniciada quando oregime militar argentino da época tentou tomar posse doarquipélago do Atlântico Sul, que os britânicos chamam deFalklands. "É um pedido que se faz desde outras cúpulas, e estáincluído nesta", disse um funcionário da chancelaria chilena,pedindo anonimato. Em meados de outubro, a Grã-Bretanha disse que pretendepedir à ONU a ampliação de seu território antártico em 1 milhãode quilômetros quadrados. Essa é uma das cinco reivindicações territoriais que aGrã-Bretanha pretende realizar antes da data-limite dos pedidosà ONU, maio de 2009, e abrange uma vasta área do leito marítimoem torno da Antártida britânica. As outras quatro reivindicações seriam pelo mar territorialem torno das ilhas Geórgia do Sul e Malvinas (no AtlânticoSul), da ilha Ascensão (a meio caminho entre Brasil e África),perto da baía de Biscaia (que separa o norte da Espanha dasilhas britânicas) e na bacia de Hatton-Rockall (em frente àcosta da Escócia). A reivindicação antártica britânica poderia provocardisputas entre Argentina e Chile, que provavelmente tambémrequisitariam territórios superpostos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.